Rádio Observador

Séries

Da “Terra Nova” às mães de Bragança: RTP estreia pelo menos quatro séries de ficção nacional até ao final do ano

A estação pública tem “vários projetos em fase de finalização” na área da ficção nacional. Séries como “Sul”, "Lua Vermelha" ou “Auga Seca” estarão disponíveis a partir de setembro.

João Relvas/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A RTP planeia estrear, até ao final do ano, pelo menos quatro séries de ficção nacional, novas, cujas temáticas vão das mães de Bragança à vida dos pescadores de bacalhau, anunciou esta terça-feira o diretor de programas da RTP1 e da RTP Internacional.

A estação pública tem “vários projetos em fase de finalização” na área da ficção nacional, que entrarão na programação a partir de setembro, revelou esta terça-feira o diretor de programas da RTP1, José Fragoso, num encontro com jornalistas, para anunciar as novidades de verão deste canal.

Durante o verão será exibida a série “Solteira e boa rapariga”, protagonizada por Lúcia Moniz, que conta a história “de uma mulher a passar os 30 anos, que não tem noivo e vai andar em cada episódio à procura de um noivo para casar”. A série tem estreia marcada para o final deste mês. Depois, até ao final do ano, estão previstas as estreias de “Sul”, de Ivo M. Ferreira, “Luz Vermelha”, de André Santos e Marco Leão, e “Terra Nova”, de Joaquim Leitão.

“Sul”, produzida pela Arquipélago Filmes, foi apresentada no ano passado no mercado de coproduções do festival de Berlim, e exibida este ano no European Film Market, um mercado de cinema e audiovisual que acontece durante o festival na capital alemã.

Do tipo policial, com dez episódios, a série decorre em Lisboa, em plena crise financeira, e conta no elenco com Adriano Luz, Ivo Canelas, Margarida Vila-Nova, Jani Zhao e Afonso Pimentel, entre outros atores. Edgar Medina, Rui Cardoso Martins e Guilherme Mendonça assinam o argumento.

“Luz Vermelha”, cujos dois primeiros episódios serão estreados na 27.ª edição do ‘Curtas’ Vila do Conde, que se realiza a partir de sábado, é uma série “que se centra numa terra imaginária, mas que se baseia no caso das ‘Mães de Bragança’”, adiantou José Fragoso. Com argumento de Patricia Muller e produção da Vende-se Filmes, a série conta no elenco com atores como Joaquim Monchique, Sofia Nicholson, Afonso Pimentel, Margarida Vila-Nova, João Lagarto e a brasileira Mariana Badam.

A história de “Terra Nova”, com Virgílio Castelo, João Reis e João Catarré, entre outros, “parte da atividade dos pescadores de bacalhau, da região Centro/Norte de Portugal”. “É uma viagem na pesca, com a situação das famílias que ficam e os homens que partem. É uma série muito diferente em termos de perspetiva, que vai para um ambiente muito agressivo que é o alto mar”, referiu José Fragoso.

Até ao final do ano, poderá ainda estrear-se a versão televisiva de “A Herdade”, filme de Tiago Guedes que chega aos cinemas em setembro, com produção da Leopardo Filmes de Paulo Branco. “Temos a versão de quatro episódios para televisão de um filme muito poderoso, que conta a história de uma herdade alentejana ao longo de três gerações”, referiu José Fragoso.

Com argumento de Rui Cardoso Martins, o filme conta no elenco com Albano Jerónimo, Victoria Guerra, Miguel Borges, João Vicente e Sandra Faleiro, entre outros.

Já para o próximo ano, “mas embora possam ter ainda episódios estreados no final deste ano”, ficam “Auga Seca” e “A Espia”, duas coproduções com Espanha.

José Fragoso acredita que, para se chegar “a um patamar de internacionalização”, que considera ser “possível alcançar”, é preciso “também que em termos de produção se consigam valores de financiamento mais elevados, e aí a coprodução é muito importante”. “A coprodução permite financiamento mais forte, que permite ter conteúdos mais fortes”, disse o responsável pela programação da RTP1.

“Auga Seca”, uma coprodução com a TV Galiza, gravada em Portugal e Espanha, conta a história “de uma mulher – interpretada por Vitória Guerra – que entra dentro de uma quadrilha de tráfico de armas”. O elenco conta ainda com João Reis, Adriano Luz e vários atores espanhóis.

“A Espia”, de Jorge Paixão da Costa, uma coprodução entre a Ukbar Filmes e a Ficción Producciones, conta no elenco com Daniela Ruah, Maria João Bastos, Diogo Morgado e Marco d’Almeida. A ação desta série centra-se “naquela fase da II Guerra Mundial em que Portugal era uma zona neutra, mas onde a espionagem funcionava”. De acordo com este diretor da RTP, na área da ficção “já há resultados muito interessantes do ponto de vista do efeito que estas séries – séries que são séries, não novelas pintadas de séries – podem ter junto do público”.

“O Nosso Cônsul em Havana”, atualmente em exibição na RTP1, “está a fazer 300 mil espectadores por episódio e é um número muito interessante”, disse José Fragoso à Lusa, dando também como exemplo “Soldado Milhões”, que atingiu 650 mil espectadores.

O diretor da RTP1 recorda que não é possível comparar “séries portuguesas com financiamentos muito baixos, às vezes na casa dos 50/60 mil euros [por episódio], com episódios [de séries estrangeiras] que têm 14 milhões de euros de custo”.

Além da ficção, a RTP tem apostado também nos documentários, tendo atualmente “dois projetos grandes em desenvolvimento”: “Deus Cérebro” e “Montado”. “Deus Cérebro”, com realização de António José Almeida e produção da Panavídeo, é uma série documental de quatro episódios sobre o cérebro, “com amplo contributo de cientistas do planeta inteiro”. “A equipa de produção correu o mundo à procura de testemunhos de cientistas sobre o cérebro. Está um episódio feito e outros a terminar”, adiantou José Fragoso, revelando que a série poderá “ser lançada este ano”.

“Montado” é uma coprodução com Espanha, “sobre a região de montado da Extremadura espanhola e que apanha parte do Alentejo”, Realizado por Joaquín Gutiérrez Acha, “que tem muitos documentários feitos sobre Natureza, é um conteúdo que vai à procura dos habitats naturais desta região, que tem uma vida animal selvagem muito significativa”, referiu José Fragoso sobre a série de dois episódios, com estreia prevista para 2020.

Entretanto, para este verão, a RTP1 volta a estar “na estrada”, com uma programação que inclui “mais de 60 programas pelo país inteiro”, como o Sete Maravilhas dos Doces de Portugal e Há Volta, que acompanha a Volta a Portugal em bicicleta, e uma semana dedicada às vindimas, com programas transmitidos a partir de cinco regiões onde se produz vinho.

Além disso, o Preço Certo terá uma edição especial a partir de Barcelos, haverá um concerto La Banda no Campo Pequeno, em Lisboa, emissões em direto do NOS Alive, com transmissão de concertos, e um concurso apresentado por Vasco Palmeirim e Filomena Cautela, o I <3 Portugal, entre outros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)