Rádio Observador

Praia

Já é seguro ir às praias da Lourinhã. Não foram detetadas mais “caravelas portuguesas”

A bandeira vermelha foi hasteada na segunda-feira em várias praias devido aos animais. Proteção Civil confirma ao Observador que interdição foi levantada e que "a situação está controlada".

O contacto com as 'caravelas portuguesas' pode provocar queimaduras graves

Getty Images

Autores
  • Agência Lusa

A Proteção Civil da Lourinhã confirmou na manhã desta terça-feira ao Observador que “já é seguro ir” às praias do concelho onde nos últimos dias deram à costa “caravelas portuguesas”. A bandeira vermelha foi hasteada em várias praias da Lourinhã mas neste momento a interdição já foi levantada e “a situação está controlada”, afirma Daniel Neves, técnico de Segurança e Proteção Civil.

A Proteção Civil realizou na manhã desta terça-feira uma “vistoria de caráter técnico” nas praias do Areal, Areia Branca e Porto Dinheiro. “Não foram até esta hora detetadas mais ‘caravelas portuguesas'”, explica Daniel Neves ao Observador. Neste momento, está hasteada nestas praias a bandeira amarela, mas unicamente devido a condições meteorológicas adversas.

A interdição tinha sido imposta na segunda-feira devido ao aparecimento dos “seres gelatinosos”. O mesmo aconteceu na Areia Branca na semana passada, mas devido ao aparecimento de medusas.

O içar da bandeira vermelha nestes locais, explica Daniel Neves, foi uma “medida preventiva” da Proteção Civil. “Estão a ser hasteadas bandeiras vermelhas em algumas das praias do concelho onde foram avistadas ‘caravelas portuguesas'”, informou na segunda-feira a Proteção Civil municipal em comunicado.

O comandante da Capitania de Peniche, Vasco Cristo, disse à agência Lusa que as “caravelas portuguesas” surgiram nas últimas semanas em praias da Lourinhã e também de Torres Vedras.

Daniel Neves acrescenta que, se os animais se voltarem a manifestar”, será novamente içada a bandeira vermelha.

A Proteção Civil aconselhou “máxima precaução” para todos os banhistas das praias do concelho e alertou para “os cuidados a ter na presença destes organismos”.

A “caravela-portuguesa” apresenta uma forma de balão de cor azul e, por vezes, tons lilás e rosa, flutua à superfície da água, é influenciada por ventos e correntes superficiais. Já as medusas são organismos gelatinosos comuns nas águas portuguesas, apresentam um diâmetro entre um a sete centímetros. Os tentáculos de ambas as espécies são urticantes e podem provocar queimaduras graves.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)