Rádio Observador

PS

Carlos César anunciou que não vai ser candidato a deputado. “É tempo de dar lugar a outros”

3.345

O líder parlamentar do PS aproveitou este noite o jantar de despedida da legislatura para anunciar a sua própria despedida parlamentar. Não vai ser recandidato a deputado.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O líder parlamentar do PS cessa aqui as suas funções no Parlamento. Carlos César anunciou isto mesmo num jantar de final da legislatura da bancada socialista, em Belém, onde contou com a presença do líder do partido, António Costa, os deputados do PS e também o líder do Governo Regional dos Açores, o socialista Vasco Cordeiro, que sucedeu a Carlos César no cargo.

É tempo de dar lugar a outros contribuindo para um salutar principio de renovação dos cargos políticos”, disse o socialista para justificar a sua decisão.

Carlos César não será candidato a deputado na próxima legislatura, o seu nome não constará na lista de candidatos. Por isso mesmo também não será o candidato do PS — como chegou a ser falado — a presidente da Assembleia da República na próxima legislatura, já que não estará no Parlamento. No jantar esteve também o atual presidente, Ferro Rodrigues, que Carlos César chegou mesmo a chamar ao palco, antes do seu anúncio, para que pudesse dirigir-se à sala.

Nos últimos meses chegou a ser noticiada a luta entre César e Ferro pelo lugar de presidente da Assembleia da República na próxima legislatura, mas o líder parlamentar que está prestes a encerrar funções disse que a decisão de não se recandidatar estava tomada “desde os primeiros momentos de 2015” e que foi “reiterada em muitas circunstâncias, nomeadamente em fevereiro de 2018”. Mas Carlos César não detalhou que cargos rejeitou ao longo deste mandato do PS no Governo.

Estou muito honrado com todos os convites que tive ao longo destes anos que, por diversas razões, não pude aceitar”, disse César.

Ainda assim, este não é o abandono da política. Carlos César continua a ser presidente do PS e afirmou que não se exclui “da participação política das responsabilidade cívicas”, embora garanta que a sua participação futura será “sobretudo como cidadão”.

António Costa subiu ao palco logo de seguida, para começar por dizer que “felizmente já tivemos o Estado da Nação porque agora estamos em estado de emoção”. O líder socialista referia-se, assim, à despedida de Carlos César que já tinha referido ter com Costa uma “amizade velha mas não envelhecida”.

No seu discurso, no mesmo jantar, Costa disse não se recordar de “uma legislatura onde a relação entre o Governo e o seu grupo parlamentar tenha sido mais amigável”. Expressou a sua “enorme admiração por Carlos César” pela sua “clarividência e assertividade política que raramente encontramos”.

Costa também confirmou que ao longo destes últimos anos insistiu em desviar César para outros cargos: “Ao longo destes quatro anos tivemos sempre a mesma conversa e, apesar do meu otimismo nunca me ter permitido desistir da insistência, a determinação de Carlos César venceu o meu otimismo. Percebo-o muito bem, respeito, como camarada e amigo a decisão”.

O líder socialista não deixou de dar uma palavra a Eduardo Ferro Rodrigues pelo papel como presidente da Assembleia da República e classificou mesmo como “decisiva” a sua eleição, “para que esta solução de Governo tivesse sido possível”. Resta saber se isto quer dizer que é em Ferro que Costa aposta para o mesmo cargo na próxima legislatura.

Artigo atualizado com as declarações de Carlos César

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)