Sinisa Mihajlovic assumiu o primeiro posto técnico após abandonar a carreira no Inter, onde esteve dois anos como adjunto da equipa principal. A partir de 2008, quis fazer o seu caminho sozinho, como número 1. E foi uma década que começou e acabou no mesmo clube, o Bolonha. Pelo meio, passou por Catania, Fiorentina, seleção da Sérvia, Sampdória, AC Milan e Torino – tendo ainda assinado um contrato com o Sporting que foi rescindido apenas nove dias depois, quando os leões fizeram a transição na SAD do destituído Bruno de Carvalho para a Comissão de Gestão que colocou Sousa Cintra no comando do futebol. No banco, nunca ganhou qualquer troféu. Mas a partir de agora o seu jogo passará a ser outro e bem mais importante.

Mihajlovic exige indemnização ao Sporting de 11 milhões de euros

“Feliz ou infelizmente, realizámos uns testes que revelaram algumas anomalias, problemas que não tinha há uns meses. Tive uma febre, não dei grande atenção a isso, depois os exames  que fiz acabaram por revelar que tenho leucemia. Quando ouvi o diagnóstico foi um choque. Sentei-me durante dias, a chorar. Nestes momentos, a vida passa-nos diante dos olhos. Não foram lágrimas de medo, foram de respeito pela doença – e vou enfrentá-la de peito aberto, olhos nos olhos, como sempre fiz. Mal posso esperar por começar esta luta. É agressivo mas está ao meu alcance. Expliquei isto aos meus jogadores, disse-lhes que vou ganhar esta batalha. Com a minha tática vou definitivamente ganhar esta batalha”, confessou em conferência de imprensa.

“Recebi umas 600 ou 700 mensagens nos últimos dias e peço desculpa por não ter respondido. Queria tirar algum tempo para mim, para me livrar de todo o negativismo, para estar preparado para esta luta. Aposto que vocês pensavam que era uma das últimas pessoas que podia ficar doente. Treino, sou grande e forte, fiz exames a 28 de fevereiro, estava tudo bem… Treinei todos os dias até maio, viajei e estava normal, sem sintomas ou dores. O meu pai morreu de cancro e é por isso faço exames com regularidade. Se não tivesse feito estes testes, nunca saberia que estava doente”, acrescentou Sinisa Mihajlovic na mesma conferência, completando: “Não devemos pensar que somos indestrutíveis. Todos pensamos que só acontece aos outros, mas quando nos acontece é um choque tremendo. Só se espera que o problema tenha sido detetado a tempo”.

Sinisa Mihajlovic: a infância na Croácia, os livres diretos, o mau feitio e uma carreira inteira em Itália

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O antigo defesa, central ou lateral esquerdo, hoje com 50 anos, teve uma carreira de sucesso que começou no Borovo, passou pelo Vojvodina (onde foi campeão da antiga Jugoslávia) e conheceu o primeiro ponto alto no Estrela Vermelha, onde ganhou dois Campeonatos, uma Taça dos Clubes Campeões Europeus e uma Taça Intercontinental. Rumou depois para Itália em 1992, onde jogou ao longo de 14 anos entre Roma, Sampdória, Lazio e Inter, tendo conquistado duas Series A, quatro Taças, três Supertaças, uma Taça dos Vencedores das Taças e uma Supertaça Europeia até encerrar a carreira em 2006.

Os memoráveis e os mais recentes. Sete grandes golos do novo treinador do Sporting

“Espero que o meu exemplo sirva para as pessoas fazerem exames regularmente e se prepararem para a possibilidade de algo assim poder acontecer. A nossa vida pode mudar radicalmente. Quando tens um pesadelo acordas e fica tudo bem; este pesadelo é real. Nada na vida me foi dado de mão beijada e vou lutar agora também”, concluiu Mihajlovic.