Rádio Observador

Kim Jong Un

Como é que Kim Jong-un tem vários Mercedes? Processo envolve “navios fantasma”, aviões e muitos países

817

Coreia do Norte não pode importar bens de luxo. Mas o líder tem carros milionários. Como? Relatório e vídeo mostram viagem complexa onde o navio desligou sistema de localização em alto mar.

Kim Jong-un junto a um dos carros de luxo

AFP/Getty Images

Foram precisos vários meses, milhares de quilómetros e paragens na China, Japão, Coreia do Sul e Rússia. Mas dois Mercedes-Maybach S600 Guard acabaram por chegar a Pyongyang, Coreia do Norte. E quem foi o comprador? Kim Jong-un. Só que, por ordem das Nações Unidas e como castigo pelo desenvolvimento de armamento nuclear, a Coreia do Norte está proibida de comprar bens de luxo.

Um relatório da C4ADS — organização sem fins lucrativos que analisa conflitos e transações mundiais —  conclui que a Coreia do Norte importou pelo menos 191 milhões de dólares (cerca de 170 milhões de euros) em bens de luxo entre 2015 e 2017. Estes produtos vieram de cerca de 90 países diferentes, o que constituiu uma total violação do decreto das Nações Unidas.

E os dois Mercedes — avaliados em 500 mil dólares (cerca de 445 mil euros) cada um — cabem sem dúvida nesta lista. Kim Jong-un tem também uma limusina avaliada em 1 milhão de dólares (cerca de 891 mil euros), a da famosa imagem de vários seguranças a correr à volta dela em 2018 durante o primeiro encontro entre Kim e Moon Jae-in, presidente da Coreia do Sul. Na garagem, o líder da Coreia do Norte guarda ainda um Rolls-Royce de luxo.

Um processo longo, complexo e confuso

O relatório foi redigido com base numa investigação de oito meses. O jornal New York Times juntou-se à organização e juntos analisaram dados das alfândegas, de transportadoras e imagens satélite de zonas portuárias.

Os dois Mercedes partiram inicialmente de um porto em Roterdão, Holanda, em 2018. Foram transportados dentro de um contentor durante 41 dias até à China. Passaram depois para o Japão e seguiu-se a Coreia do Sul. Com a mudança de portos, mudavam também os navios. Na Coreia do Sul, um navio — que pertence a empresário russo já acusado de evitar sanções — recolheu os Mercedes. Quando este cargueiro iniciou a sua viagem, tornou-se um “navio-fantasma”: desligou o sistema de localização e desapareceu dos radares.

Dezoito dias mais tarde, o navio voltou a ligar o sistema de localização. Mas os carros desapareceram e tinham já sido substituídos por um carregamento de carvão. Os Mercedes foram deixados dias antes num porto russo e terão sido transportados para a Coreia do Norte através de um avião de carga, explica a investigação do New York Times.

Confuso? O objetivo é mesmo esse. As entidades envolvidas no transporte destes produtos usam vários navios, portos e jurisdições para baralhar as autoridades e assim evitar sanções internacionais.

Contactada pela CNN, a Daimler (empresa que detém a Mercedes), afirma que não sabe por que meios os carros em questão chegaram à Coreia do Norte.

A nossa empresa não tem negócios com a Coreia do Norte há mais de 15 anos e segue estritamente os embargos da Europa e dos Estados Unidos”, afirma a Daimler.

A C4ADS deixa alguns alertas e explica que a questão vai muito além da compra de carros e artigos de luxo. Esta investigação leva o New York Times a questionar o quão eficazes serão as sanções das Nações Unidas para impedir Kim Jong-un de levar avante as suas ambições nucleares e se o líder norte-coreano pode estar a utilizar este sistema de transporte para importar armamento.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)