Rádio Observador

Ministério do Ambiente

Obra no rio Tinto em Gondomar elimina “mancha preocupante de poluição” na Área Metropolitana do Porto

219

Obra passa por um projeto hidráulico, que resolve os problemas de poluição, e ainda por uma melhoria da paisagem da AMP. Matos Fernandes fala em "projeto relevantíssimo".

João Pedro Matos Fernandes salientou a união da Câmara de Gondomar e da Câmara do Porto no projeto

JOÃO RELVAS/LUSA

O ministro do Ambiente, Matos Fernandes, disse esta quarta-feira que o novo intercetor de Rio Tinto, em Gondomar, no rio local, permite eliminar “uma mancha preocupante de poluição na Área Metropolitana do Porto (AMP)”.

Quando chegámos ao Governo havia quatro manchas preocupantes de problemas de poluição na Área Metropolitana do Porto: a ETAR de Matosinhos, o rio Tinto, uma ETAR em Paços de Ferreira e outra em Campo, Valongo. Dois estão resolvidos, dois estão em resolução. São 30 milhões de euros que vão fazer com que os problemas de poluição hídrica que havia na AMP deixem de existir”, afirmou o ministro na inauguração da obra.

João Pedro Matos Fernandes considerou tratar-se de “um projeto relevantíssimo como projeto intermunicipal, porque só fazia sentido com este grande compromisso da Câmara de Gondomar e da Câmara do Porto que trabalharam muito bem em conjunto”. “O rio [Tinto] está sobretudo no município de Gondomar, mas desagua no município do Porto, por isso tinha de ser um projeto conjunto”, sublinhou.

Trata-se de um projeto hidráulico, que resolve os problemas de poluição, e de um projeto paisagístico, que faz com que “aqui exista a partir de agora um território fantástico para poder ser fruído e visitado por toda a gente de Rio Tinto”, disse.

Matos Fernandes salientou ainda o papel das associações ambientalistas que ao longo dos anos “nunca baixaram os braços”. “Hoje também lhes prestamos um tributo. Tenho a certeza de que o rio Tinto vai passar a ser um território de passeio e fruição e todos os que aqui vierem vão ser também os melhores fiscais para os pequenos problemas que sempre existem e não vão deixar de existir”, acrescentou.

O ministro, que foi presidente das Águas do Porto, lembrou que foi durante esta sua função que “há mais ou menos quatro anos, pouco tempo antes de ir para o Governo”, se envolveu no projeto. “Depois disso andámos muito depressa, há dois anos a obra foi consignada e hoje está feita. Não vale a pena falar dos 26 anos que antecederam esta parte, podia ter sido feito, podia, mas não foi. Também foi agora que houve fundos comunitários para o fazer e que as duas autarquias, do Porto e de Gondomar, perceberam que este era um problema grave e que só o resolviam em conjunto”, sublinhou.

A empreitada do intercetor de Rio Tinto foi financiada pelo Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos (POSEUR) em cerca de 7,9 milhões de euros.

O intercetor, que custou 9,7 milhões de euros, permitiu reabilitar o emissário existente numa extensão de 1.950 metros e construir um exutor com 4.100 metros, que liga as estações de tratamento das águas residuais (ETAR) do Meiral, em Gondomar, e do Freixo, no Porto, que no total servem mais de 140 mil habitantes.

A obra permitiu ainda a construção de 6,5 quilómetros de passadiço para ligar o Parque Oriental, em Campanhã, ao novo Parque Urbano de Rio Tinto.

Além do passadiço e da reabilitação do rio, quer ao nível hidráulico quer de vegetação em redor, a obra inclui pequenas zonas de fruição como a praça na zona do Pêgo Negro, no Freixo, e o melhoramento de acessos às habitações.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)