Rádio Observador

Irão

Parlamento iraniano apoia captura de petroleiro britânico

Os representantes políticos aprovaram a iniciativa da Guarda Revolucionária: "Os britânicos cometeram pirataria e nós respondemos", disse Ali Larijani, o presidente do parlamento

SEPAH NEWS HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O parlamento iraniano deu hoje o seu apoio à captura do petroleiro britânico “Stena Impero” por parte dos Guardas da Revolução, que provocou uma crise diplomática entre o Irão e o Reino Unido.

“Os britânicos cometeram pirataria e nós respondemos”, disse o presidente do parlamento iraniano, Ali Larijani, citado pela agência Efe, durante a sessão aberta de hoje.

Para além desta declaração, os deputados elaboraram um comunicado de apoio e agradecimento à ação dos Guardas da Revolução no estreito de Ormuz, que até agora foi assinado por 160 parlamentares.

Um membro da comissão de Energia do parlamento, Jalal Mirzaei, disse que espera que “o ato do Corpo dos Guardas da Revolução tenha transmitido a mensagem aos britânicos de que não podem atuar contra as normas internacionais”.

Mirzaei criticou, citado pela agência universitária iraniana ISNA, que o Reino Unido atuou “seguindo a política dos Estados Unidos” e que por isso deteve em Gibraltar no início do mês o petroleiro iraniano Grace 1 por suspeitar de que transportava crude para a Síria, cujo regime está debaixo de sanções da União Europeia.

Na sexta-feira, os Guardas da Revolução iranianos anunciaram que tinham “confiscado” o petroleiro, alegando que a embarcação tinha desrespeitado o código marítimo internacional e os pedidos da autoridade portuária e marítima da província de Hormozgan.

O petroleiro britânico e os seus 23 tripulantes encontram-se no porto de Bandar Abbas enquanto se desenrola uma investigação pela suposta infração das normas de navegação.

No sábado, Alahmorad Afifipur, diretor da Organização de Portos e Navegação da província de Hormozgan, justificou o arresto dizendo que “o petroleiro chocou com um barco de pesca durante a sua rota e depois desse incidente era necessário perceber os motivos”.

Hoje, o mesmo responsável portuário disse, citado pela AFP, que a rapidez da investigação sobre o incidente “dependerá da cooperação da tripulação” e do acesso das autoridades “às provas necessárias para examinar o assunto”.

Numa mensagem publicada no sábado na rede social Twitter, o ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros, Mohamad Javad Zarif, exigiu ao Reino Unido que deixe de ser “cúmplice” das sanções dos Estados Unidos contra o Irão.

Também no sábado, a diplomacia britânica convocou o encarregado de negócios iraniano no Reino Unido, segundo fonte governamental.

O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Jeremy Hunt, já tinha dito que a apreensão do navio revela “sinais preocupantes de que o Irão poderá escolher um caminho perigoso de comportamento ilegal e desestabilizador”.

O Reino Unido também pediu a outros navios britânicos para evitarem o estreito de Ormuz, uma passagem marítima vital para o tráfego mundial de petróleo, durante um “período provisório”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)