Rádio Observador

Timor-Leste

Ramos-Horta critica Fretilin por votar contra o tratado de fronteiras com a Austrália

Para o ex-Presidente timorense José Ramos-Horta, acordo "garante uma fronteira marítima permanente e que traz vantagens óbvias no plano financeiro e económico", e decisão terá consequências negativas.

O Parlamento Nacional timorense ratificou nesta terça-feira o histórico tratado que define fronteiras marítimas permanentes entre Timor-Leste e a Austrália, depois de aprovar várias alterações legislativas, mas com os votos contra da Fretilin, na oposição

MANUEL FERNANDO ARAÙJO/LUSA

O ex-Presidente timorense José Ramos-Horta mostrou-se nesta terça-feira “entristecido” com o voto contra da Fretilin, na oposição, em relação ao tratado de fronteiras com a Austrália, considerando que perdeu uma oportunidade de se afirmar como um partido de Estado.

“Teria sido um grande gesto de sentido de Estado que, com todas as reservas que queira registar para o momento presente e para a história, votasse a favor do pacote e do tratado”, afirmou Ramos-Horta que acompanhou nesta terça-feira a votação no plenário do parlamento.

“Não o tendo feito perdeu uma oportunidade de se afirmar como um partido de Estado”, afirmou.

Ramos-Horta disse que a decisão terá consequências negativas para o partido a nível nacional e condiciona ainda mais a já tensa relação entre a Fretilin e a Aliança de Mudança para o Progresso (AMP), a coligação do governo.

“Fico entristecido porque sei que, por um lado, vai ter consequências negativas para a Fretilin na sua imagem a nível nacional e tenho pena porque tenho grande admiração pelo Mari Alkatiri”, afirmou.

“Uma votação a favor, hoje, teria aberto toda uma nova possibilidade de cooperação profícua, madura, estabilizada para os próximos cinco anos que é necessária para este país. Este voto da Fretilin torna mais difícil a tarefa de muitos de nós que queremos ver todos os partidos se entenderem, mas em particular a Fretilin e a coligação AMP”, afirmou.

O Parlamento Nacional timorense ratificou nesta terça-feira o histórico tratado que define fronteiras marítimas permanentes entre Timor-Leste e a Austrália, depois de aprovar várias alterações legislativas, mas com os votos contra da Fretilin, na oposição.

Os textos vão agora para o Presidente da República a quem Ramos-Horta deixou um apelo para que os promulgue.

“Farei todo o apelo, argumento necessário para o Presidente fazer o que o chefe de Estado fazer, promulgar este pacote de leis e o tratado”, disse.

Para Ramos-Horta, um veto do Presidente seria “caso inédito do mundo” de bloqueio a “um tratado que depois de anos de negociação, garante uma fronteira marítima permanente e que traz vantagens óbvias no plano financeiro e económico”, além de vantagens diplomáticas para Timor-Leste que é apontado “como exemplo de como resolver diferendos fronteiriços delicados”.

“Seria surpreendente que o Presidente, que é uma pessoa inteligente, não o venha promulgar tão rapidamente como possível”, afirmou.

Os deputados aprovaram uma resolução do Governo que ratifica o tratado – em versões em língua portuguesa e inglesa – e um conjunto de anexos, incluindo “Ilustração das Fronteiras Marítimas”, o “Regime Especial do Greater Sunrise”, a “Área do Regime Especial” e as “Disposições Transitórias e Arbitragem”.

“O resultado do acordo é consistente com o direito internacional e ambas as Partes consideraram aceitável uma solução equitativa, bem como a criação de uma base estável e duradoura para as atividades petrolíferas na área dos fundos marinhos entre Timor-Leste e a Austrália com benefícios para ambas as partes”, refere a resolução de ratificação.

A resolução de ratificação foi aprovada com 42 votos a favor e 23 contra dos deputados da Fretilin, partido do Presidente da República.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)