Esta não é a primeira vez que Santana Lopes sugere a criação de uma coligação entre os partidos de centro-direita. Em fevereiro, ainda o Aliança não tinha realizado o congresso fundador do partido, já Santana Lopes admitia essa ideia. Ao que tudo indica, o resultado das Eleições Europeias, nada simpático para a direita, veio dar força às intenções do líder do Aliança.

No Facebook, Pedro Santana Lopes publicou esta tarde um “Imperativo Patriótico” para apelar a um “encontro tão breve quanto possível” entre os “líderes dos partidos de centro-direita”.

Contactado pelo Observador, o líder do Aliança diz que este encontro devia acontecer “na próxima semana” e explica que o apelo aos líderes do centro-direita deriva do “estado de urgência e emergência política relativo à relação direita-esquerda” no país e “depois de passar quatro semanas na estrada a ouvir as preocupações dos portugueses”.

“As pessoas estão muito preocupadas com a extrema-esquerda, com as políticas que cheiram a gonçalvismo. Há a hipótese de dois terços da próxima Assembleia da República ser assim, nem quero pensar nisso”, afirmou Santana Lopes.

Apesar de ainda não ter recebido nenhum feedback dos destinatários da mensagem, que tem algumas horas apenas, Santana Lopes faz esta espécie de convocatória sem premissas. Não se compromete com coligações pré nem pós eleições, mas não rejeita que possam acontecer e lembra que o tempo para apresentação de listas está a terminar. “Depende da vontade de todos e de cada um”, diz, acrescentando que “não há hipóteses excluídas, nem hipóteses em cima da mesa”, mas os resultados das últimas eleições e a opinião dos portugueses são pesos em cima da balança.

Há um ambiente politicamente muito preocupante e as pessoas não podem ficar indiferentes, não se pode ficar na mesma. Tem que se agir, tem que se reagir”.

Santana Lopes espera que da reunião dos líderes de centro-direita saia “algo importante para Portugal”, algo pelo qual “as pessoas anseiam”.