Rádio Observador

Médicos

Maioria dos médicos é a favor da legalização da eutanásia

Estudo questionou 251 médicos. 55% diz que concorda eutanásia voluntária, menos de 40% concorda com a eutanásia involuntária e apenas 20% aceita a eutanásia em "adulto com doença terminal".

De acordo com os autores, este estudo reforça a ideia de que, independentemente da evolução aparente do conceito de "boa morte", "a eutanásia é um tema ainda controverso, representando um problema médico e social em Portugal"

LUSA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Quase 60% dos médicos são a favor da legalização da eutanásia em Portugal, revela um estudo desenvolvido por investigadores do CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde e publicado na Revista Iberoamericana de Bioética.

A investigação, da autoria de Sofia da Silva, Luís Azevedo e Miguel Ricou, e a que a Lusa teve acesso nesta segunda-feira, teve como objetivo auscultar a opinião de médicos portugueses de diferentes especialidades, nomeadamente de Anestesiologia, Medicina Geral e Familiar, Medicina Interna, Oncologia e Psiquiatria, quanto à prática e legalização da eutanásia.

Foram ouvidos 251 profissionais de seis hospitais e de 15 centros de saúde da região Norte do país.

Os resultados indicam que a maioria dos médicos é a favor da legalização da eutanásia, sobretudo os mais novos, com menos experiência profissional e sem crenças religiosas.

No entanto, segundo os investigadores, “a opinião dos médicos é fortemente influenciada pelos cenários concretos que lhes são apresentados”.

“O apelo a um caso concreto é determinante para promover a aceitação da eutanásia”, explicou Miguel Ricou, investigador do CINTESIS na área da Bioética e Ética Médica e docente da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

Assim, esclarece, enquanto 55% concordam com cenários de eutanásia voluntária (em circunstâncias em que está explícita a vontade do adulto com doença incurável/terminal, incapacitante, com dor ou sofrimento insuportável), menos de 40% concordam com cenários de eutanásia involuntária e apenas 20% aceitam a eutanásia num “adulto com doença terminal que ainda goza de boa qualidade de vida”.

“Estes resultados evidenciam que o sofrimento manifestado pelo doente, em consequência da doença, é, para os médicos, um critério mais relevante que o respeito pela autonomia, ainda que esta última seja condição. Por exemplo, nos cenários em que eutanásia ocorre a pedido da família, isto é, de terceiros, o procedimento é tido como ‘inaceitável’ pela maioria dos participantes”, sustenta o investigador do CINTESIS.

De acordo com os autores, este estudo reforça a ideia de que, independentemente da evolução aparente do conceito de “boa morte”, “a eutanásia é um tema ainda controverso, representando um problema médico e social em Portugal”, defendendo, por isso, que “são necessários mais estudos sobre este tema”.

O artigo completo pode ser consultado aqui.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)