Se nada de “anormal” acontecer até domingo, dia do arranque oficial da temporada com a Supertaça entre Benfica e Sporting, Bruno Fernandes irá ser titular e capitão da equipa verde e branca – o que não significa de forma obrigatória que fique mesmo em Alvalade para a terceira temporada no clube. Com o mercado em aberto, a hipótese de chegar uma oferta que consiga convencer Frederico Varandas a vender o médio não pode ser afastada e é o próprio Marcel Keizer que assume isso, à RTP3.

“Não posso prometer nada… O que eu acho é que ele vai jogar… É claro que não posso dar 100% de certezas pois não sou eu que decido isso no Sporting. É futebol e a janela de transferências está aberta. E quando a janela está aberta, não é muito bom para o treinador”, comentou o técnico holandês numa entrevista ao programa Grande Área da RTP3, que passará na íntegra às 22h30.

Já Bruno Lage, treinador do Benfica, acredita que o internacional português vai mesmo jogar e deixou elogios à capacidade do adversário para fazer a diferença. “O jogo dele será interior e na procura de jogar entre linhas, servir os avançados e também tentar finalizar. Ele não é o melhor guarda-redes nem o melhor defesa central. Eu gosto de médios. Os médios não são especialistas em nada mas são bons em muita coisa. O Pizzi e o Bruno Fernandes são muito bons”, destacou.

Esta quinta-feira, Bruno Fernandes foi alvo de um encontro em Alvalade entre Frederico Varandas, presidente do Sporting, e um representante do Tottenham. O emissão inglês apresentou não só o interesse formal dos spurs no jogador mas também uma proposta concreta para a contratação do número 8 que acabou por ser rejeitada por não chegar aos 70 milhões de euros que são nesta altura pretendidos pelo passe do capitão leonino. O Observador confirmou também que, nesta altura, não está prevista mais nenhuma reunião entre as duas partes – o que não significa que não possa acontecer mas já depois da Supertaça.

Além do Tottenham, também o Manchester United mostrou já interesse em Bruno Fernandes, ainda que sem concretizar uma proposta concreta que permitisse funcionar como base para prolongar as negociações. O Observador sabe que a postura do Sporting continuará a ser aquela que foi adotada esta tarde em Alvalade com os vice-campeões europeus: estabelecer como base os 70 milhões de euros, jogando também com os prováveis dias de maior agitação no mercado na próxima semana na Premier League, que fechará o mercado das entradas logo a 8 de agosto, daqui a uma semana.

Recorde-se que, em entrevista à Rádio Observador, Frederico Varandas tinha admitido “muita conversa sem nada concreto” em torno do capitão do Sporting, ao mesmo tempo que garantiu que “a sair, será sempre a maior venda de sempre do clube”, acima dos 40 milhões de euros recebidos do Inter por João Mário. Três semanas depois, no aeroporto de Lisboa e à RTP, o presidente verde e branco aumentou a fasquia: “Não sei se há muitos ou poucos interessados. Muito se tem falado de valores, 55 milhões, 62 milhões… mas por isso não sai de certeza”. Esta semana, numa reportagem da SIC, o número 1 dos leões voltou a referir que “há muito interesse, muitas perguntas mas, oficialmente, pouco” e assegurou que a situação do jogador “não é uma grande preocupação”: “Sabíamos que quando terminasse a época iria ser um dos jogadores mais assediados no mercado mas jamais o Sporting pode ser dependente de um Bruno Fernandes, de um guarda-redes, de um diretor desportivo ou de um presidente”.