Rádio Observador

Combustível

Marcelo tem o carro abastecido, os portugueses ainda não. Veja as fotos e vídeos das filas que se começam a formar nos postos de combustível

747

O Presidente disse na Alemanha que tem o carro cheio para ir de férias. Os portugueses ainda não, mas estão a fazê-lo e as filas começam a formar-se. Já há 30 bombas com combustível em falta.

“Eu tenho um princípio básico. Quando termino uma viagem, atesto sempre o carro”. A prática de Marcelo, que o Presidente da República confessou na tarde desta quinta-feira, em Rostock, na Alemanha, quando questionado sobre a greve dos motoristas, não é a que está a ser seguida pela maioria dos portugueses — a ver pelas filas que já se começam a formar a mais de 72 horas do início da paralisação, marcada para as 00h01 de segunda-feira.

Como acabei de vir do fim de semana que estive no Algarve, atestei logo o carro e, portanto, estou em condições de partir, naquilo que está na minha cabeça para ser o dia das minhas férias, que é dia 12″, explicou ainda o Presidente. Quanto à polémica dos serviços mínimos implementados, Marcelo preferiu não comentar o assunto: “Eu acompanho tudo o que se passa, mas não devo comentar em território estrangeiro”.

Na iminência de uma greve que ameaça (pela segunda vez) secar as bombas de combustível do país, tal como o Presidente, ninguém quer ficar com o tanque na reserva. A poucos dias da paralisação, os postos começam a esvaziar-se ao mesmo tempo que se enchem de carros: sejam de famílias preocupadas que não querem perder as suas férias ou de quem, simplesmente, prefere prevenir.

[“Temos de nos precaver”. O dia numa bomba, quatro dias antes da greve]

De norte a sul do país, já há 30 bombas sem, pelo menos, um tipo de combustível: 12 já não têm gasolina, 15 esgotaram os tanques de gasóleo e três já não têm GPL. Como a greve ainda não começou (só arranca às 00h01 de segunda-feira), os postos de combustível ainda estão a ser abastecidos. Mas o abastecimento é lento: depois de o camião chegar, os tanques podem demorar de 1h30 até 3 horas a ficarem cheios novamente. Para evitar que os combustíveis acabem, a Câmara de Mafra já decretou o estado de alerta e decidiu impor limitações aos abastecimentos no município, desde as 17h00 desta quarta-feira, impondo um máximo de 25 litros.

As filas na bomba da Galp da Tapada das Mercês, Algueirão-Mem Martins, uma das freguesias mais populosas de Sintra:

Na A16, a autoestrada que liga a A5 em Cascais à CREL, junto à Amadora, a bomba da Prio já tinha também filas dos dois lados:

Na início da Calçada de Carriche, no sentido Odivelas-Lisboa, a bomba da Galp também tinha filas de ambos os lados, com alguns clientes a abastecer jerricãs:

As filas são, para já, menores quando comparadas com as provocadas pela greve anterior, de 15 de abril. Começaram a surgir especialmente depois de o Governo ter declarado o estado de emergência energética. Mas, em contagem decrescente para a paralisação, a tendência é para que cresçam ainda mais.

[Veja na fotogaleria acima as fotografias das filas que se começam a formar nos postos de abastecimento]

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Texto de Carolina Branco, fotografia de Melissa Vieira.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário

João Pires da Cruz
572

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)