Rádio Observador

Ginástica

Simone Biles já tem muitos ouros e agora só quer a coroa: é a primeira mulher de sempre a conseguir um triplo duplo

3.362

Após ser a primeira, homem ou mulher, a sair da trave com dois mortais com dupla pirueta, Simone Biles tornou-se a primeira mulher a alcançar um triplo duplo. E já só quer a coroa da melhor de sempre.

A ginasta de 22 anos tornou-se a primeira mulher em mais de 70 anos a ganhar seis títulos nacionais nos Estados Unidos

Getty Images

Torna-se difícil dizer que Simone Biles é a melhor ginasta do seu tempo. Não por não ser suficientemente boa, não por não ter títulos suficientes, não por não ter suficientes anos de carreira. Torna-se difícil dizer que Simone Biles é a melhor ginasta do seu tempo porque a norte-americana insiste em provar que essa afirmação é um eufemismo. Depois das quatro medalhas de ouro nos Jogos Olímpicos do Rio, depois de mudar o paradigma da ginástica internacional ao mostrar que as ginastas não são bailarinas e que um corpo atlético pode ser tão ou mais elegante que um corpo tradicionalmente artístico, depois de explicar as consequências e as nódoas negras que o escândalo Larry Nassar deixou, Simone Biles continua a fazer o que nunca havia sido feito. E vai insistindo em provar que não é a melhor ginasta do seu tempo — é a melhor ginasta de todos os tempos.

Durante o fim de semana, a ginasta competiu nos Campeonatos Nacionais dos Estados Unidos, naquela que é a primeira etapa mais a sério na preparação para os Jogos Olímpicos de Tóquio, já no próximo verão. Depois de ter falado sobre o escândalo de abusos sexuais no interior da seleção olímpica — e de ter sublinhado e reiterado as marcas que Larry Nassar, o médico condenado a 175 anos de prisão, lhe deixou de forma permanente –, Simone Biles iniciou a corrida em busca de um sexto título nacional. Conquistou-o, tornando-se a primeira mulher a ser campeã nacional seis vezes em mais de 70 anos, e até teve margem de manobra para recuperar de um arranque morno que, sem esconder o perfecionismo, a obrigou a murmurar palavrões e protagonizar imagens que se tornaram rapidamente virais nas redes sociais.

Recuperou, arrasou a concorrência e deixou mais uma marca para o futuro. Durante o exercício de chão, tornou-se a primeira mulher na história a conseguir executar na perfeição um triple-double, um duplo salto mortal com três rotações. No final da performance, ciente de que tinha alcançado aquilo a que se tinha proposto e mais ainda, riu-se, festejou e não escondeu a alegria. Antes, na trave, já se tinha tornado a primeira ginasta de sempre, homem ou mulher, a conseguir uma saída perfeita de duplo mortal com dupla pirueta. Dito assim, tudo parece simples e quase sem significado: com as imagens, percebe-se que Simone Biles é um atentado à gravidade.

Esta segunda-feira, de forma expectável, os feitos da ginasta de apenas 22 anos estão em destaque na comunicação social norte-americana. Mas é o USA Today, através de um artigo de opinião, que melhor descreve o que significa para a ginástica aquilo que Simone Biles fez este fim de semana. “Imaginem Muhammad Ali no Rumble in the Jungle. O jogo em que o Michael Jordan estava com gripe. A vitória da Serena Williams no Open da Austrália enquanto estava grávida. O Michael Phelps a ultrapassar o Milorad Cavic para ganhar a sétima medalha de ouro nos Jogos de Pequim. Há noites (…) em que somos recordados de que estamos a ver grandeza à frente dos nossos olhos. E não é a grandeza de que se fala quando se trata de todos os atletas acima da média. A verdadeira grandeza é aquela que as pessoas vão recordar durante décadas, reproduzindo os detalhes como se tivesse acontecido apenas um ou dois anos antes”, escreveu Nancy Armour.

A menos de um ano daqueles que serão os últimos Jogos Olímpicos da carreira, segundo a própria, Simone Biles continua a acrescentar capítulos às já longas páginas que escreveu na história da ginástica. Não é a melhor do seu tempo, não é a melhor no chão, não é a melhor na trave: é a melhor de sempre.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)