Sempre polémica, a ex-eurodeputada socialista não poupa Carlos César nem Luís Filipe Vieira. Nesta entrevista à Rádio Observador diz que ainda não recebeu nenhum processo do Benfica depois das suas declarações sobre o negócio de João Félix, frisa que o líder do clube “é um delinquente” e que o presidente do PS é “bastante económico com a verdade”. Considera um escândalo os juízes Rui Rangel e Fátima Galante terem voltado aos tribunais, tal como o facto de Passos Coelho ter sido primeiro-ministro sem ninguém pôr em causa a sua honestidade. E mais uma vez, sublinha ser insustentável que a justiça portuguesa desvalorize o que o hacker Rui Pinto diz.

Não foi candidata ao PS porque não quis ou porque o PS não quis que continuasse?
Porque eu não quis.

Mas, foi convidada?
Não, há um ano, mais de um ano, escrevi ao secretário-geral do partido, António Costa, a dizer que não pretendia ser recandidata. Tinha feito 3 mandatos, 15 anos, muito trabalho. Não me queixo de trabalho, gosto de trabalhar e gostei de todos os minutos que passei no Parlamento Europeu. Mas achei que era a altura de dar lugar aos novos, acredito em limitação de mandatos, portanto tenho que aplicá-la a mim própria, tinha cumprido 3 mandatos. E também há aqui um intuito de fazer escola, espero que a partir de agora haja um pouco de vergonha de se ir para além de…

De dar o exemplo?
Exatamente. E depois por outro lado pensei que era a altura de estar mais em Portugal. Usar a experiência e os contactos e os conhecimentos que fiz no Parlamento Europeu e pô-los ao serviço do que se passa em Portugal.

E isso que está a fazer agora?
É isso que vou fazer. E que estou a fazer.

E o que é que está a fazer na sua intervenção pública e política?
Sou militante do PS, naturalmente, e assumir-me-ei sempre como militante do PS. Mas sou cidadã, antes de mais. Acho que a intervenção política não se esgota na vida partidária, embora ache que a vida partidária é indispensável em democracia. Como cidadã, militante do PS, ativista nas redes sociais, nas ONG’s, posso justamente pôr aquilo que aprendi no Parlamento Europeu e as redes que tenho ao serviço de um combate  que é indispensável fazer-se em Portugal e que para mim, antes de mais, é de facto o combate à corrupção. Não é um fenómeno exclusivamente português, embora tenha uma especificidade dos portugueses. É um fenómeno global, e europeu. E portanto isto não pode ser desligado do que se passa ao nível europeu, daí que eu penso (poder aplicar) a minha experiência.

Nesse combate à corrupção, descobre agora o futebol. É aí que está um dos grandes focos da corrupção em Portugal?

Não diria que descubro agora. Quando eu vim para a política, já tive essa perceção. Via a RTP na Indonésia, e estava a ficar assustada com a predominância do futebol. E não era nada comparado com o que hoje se vê! [Via o] que isso já implicava de promiscuidade entre negócios e atividade dita desportiva, industrial, e política. Quando vim para a atividade política no PS, logo nos primeiros meses, escrevi no blogue — que na altura iniciei com Vital Moreira e outros — exatamente sobre os ‘gabirus’ do futebol, que se gabavam de não pagar impostos. Havia um tipo qualquer de Braga que tinha feito umas declarações a dizer que “não pagava impostos, que era o que mais faltava, tal tal tal”. Tive uma reação de líderes do futebol, aliás junto da direção do próprio PS, que me deu conta disso. Lembro-me de Ferro Rodrigues agarrar o jornal e ver uma diatribe qualquer contra mim, e dizer “olha, estás a ver?” a rir… Mas a reação foi terrível. Depois, mais tarde, vieram a saber-se de algumas escutas do quadro do processo apito dourado, que mostravam que dirigentes do PS falavam com esses dirigentes de futebol e que eles se sentiam muito intimidados pelo que eu tinha dito!

Eles quem? Os do futebol ou do PS?

Os do futebol! (risos) Os do PS também, aliás os do futebol era nessa altura um tal Lourenço Pinto, do….

Ligado ao Futebol Clube do Porto

Exato. E o Valente Loureiro e….

Futebol com política, é uma combinação que está a ganhar uma dimensão diferente nesta altura. Porque é que a Ana Gomes acha que é necessário escrutinar, por exemplo, o negócio do João Félix?

Não sei nada de futebol, nem me interesso por futebol, e não tenho clube de futebol, nem outro clube qualquer devo dizer. Aliás o único clube a que pertenci enquanto miúda foi o SLB, onde fiz ginástica e patinagem! (risos). Mas a dimensão que isto ganhou, hoje em dia, de verdadeira captura dos estados, dos governos, da política, da economia. Que não é só aqui, é em toda a Europa e a nível global, vimos isso através dos Panamá Papers, e das comissões de inquérito que fizemos no Parlamento Europeu — designadamente sobre as revelações do football leaks — e percebi a dimensão que isto tem no nosso país.

Mas o que é que lhe chamou à atenção no negócio do João Félix? Porque isso é o que espoleta o início de uma ligação difícil com o Benfica. 

Repare, não sei nada, não sigo as coisas do futebol. Mas quando às vezes na imprensa de referência surgem indicações sobre casos desses contratos que são obviamente mistificações e esquemas de fraude fiscal e de outro tipo de criminalidade, entendi atuar. Já em tempos, lembro-me que agi em relação a um negócio qualquer esquisito que envolvia o Sporting e caíram todos em cima de mim, que eu era uma benfiquista não sei quê. Agora, quando acontece este negócio do João Félix, não fui só eu! Toda a gente, no mundo do futebol e fora dele, se questionou: como é que se explicava este negócio?

Mas ninguém chegou tão longe, a perguntar, no Twitter “será negócio de lavandaria?”
Fiz a pergunta óbvia! Perante um jornalista que descrevia uma série de questões perfeitamente legítimas e pertinentes sobre esse negócio, perguntei aquilo que para mim, com o conhecimento que tenho das comissões de inquérito do Parlamento Europeu sobre corrupção, sobre esquemas de branqueamento de capitais, sobre organizações criminosas, mafiosas, que usam processos legais para passar o dinheiro sujo para esquemas de branqueamento, portanto para branquear, eu…perguntei aquilo que era óbvio, que toda a gente tinha na cabeça!

Fez a pergunta, e a única reação que teve foi um Benfica a pedir esclarecimentos ao partido socialista, nada mais do que isso…em efeitos práticos
Sim…Houve também… já várias vezes me ameaçaram com processos

Não recebeu ainda nenhum?
Não, até hoje não. Já há uns tempos também o próprio Luís Filipe Vieira tinha dito que me processava por eu ter dito o óbvio, que ele era um delinquente, e é um facto comprovado! Mas até hoje, eu estou aqui sentadinha à espera que me processem que terei muito gosto em ir a tribunal explicar porque é que disse o que disse.

Mas porque é que chamou delinquente a Luís Filipe Vieira?

Porque Luís Filipe Vieira foi em tempos julgado, e isso é público e notório! Foi julgado por um roubo de um camião, foi condenado! Não foi só julgado, foi condenado por um roubo de um camião. Há uma sentença, há juízes que o….

Não chamaria delinquente a outra pessoa que tem cadastro, que já cumpriu a sua pena.
Aliás, estamos a falar de Luís Filipe Vieira que é pelo menos arguido no processo LEX ,não é? Que envolve, de resto, dois juízes portugueses, também como arguidos….e que é altamente gravoso do nível de corrupção a que chegou o aparelho de Estado, incluindo o próprio aparelho da Justiça! Se temos dois juízes arguidos…o juiz Rui Rangel e a juíza Fátima Galante, arguidos, constituídos arguidos…

E que já voltaram a trabalhar, aliás.
É um escândalo total e mostra a disfunção da Justiça no nosso país! Há aqui um problema legal e há um problema de funcionamento da própria maquinaria da Justiça, que permite que dois indivíduos que são juízes, que foram acusados de crimes gravíssimos de corrupção, de tráfico de influências, de branqueamento de capitais, de fraude fiscal qualificada, etc., com outras pessoas — incluindo Luís Filipe Vieira, que é outro dos arguidos no mesmo processo, por ter comprado sentenças e etc., e por ter comprado favores da justiça — se estas pessoas (que estão em vias, pelos vistos, de serem acusadas, porque espera-se uma acusação que está a ser completada, visto que são juízes que têm um nível de intervenção na magistratura)….

Do conselho superior da magistratura.
E do supremo! Portanto, como é que é possível estas pessoas voltarem ao serviço? E voltarem a estar por dentro da máquina, e poder perverter a própria máquina? Quer dizer, há aqui qualquer coisa de gravemente disfuncional, que é mais uma demonstração que de facto nós temos de olhar para o combate à corrupção com outros olhos e não podemos continuar a pensar que somos um país de brandos costumes e um jardim à beira mar plantado onde nada do que se passa noutras partes do mundo nos afeta.

Voltando aqui às suas dúvidas sobre o caso João Félix: A única resposta que teve disso foi, de facto, uma carta do Benfica a pedir explicações ao PS, que foi respondida por Carlos César. Que lições é que tira disso tudo?
Digamos que não me surpreendeu, infelizmente, sobretudo pela pessoa em causa.

Mas teve a conivência da direção do partido.
Não, não me surpreendeu. Quando digo a pessoa digo o responsável do PS que reagiu como reagiu, não me surpreendeu.

E de António Costa
Não sei se António Costa teve alguma coisa a ver com isso. O Carlos César é presidente do PS e tem autonomia para fazer o que entender. Imagino que tenha sido uma atuação pessoal, acho que António Costa é demasiado inteligente para se envolver numa coisa dessas! (risos) Porque obviamente isso não saiu bem nem ao PS nem a Carlos César pessoalmente.

É Carlos César que dá o corpo às balas nesta questão.
Não é o único, sabemos que no passado houve outros que se prestaram a fazer esse tipo de intervenção. Aliás, houve alguns militantes, distintos militantes socialistas que me telefonaram e me disseram: “Oh…ataques desse indivíduo é medalha de honra!” (risos)

Porque é que não a surpreendeu, vindo de Carlos César?
Porque é um indivíduo que é bastante económico com a verdade, para ser diplomata. (risos) Quando fui aos Açores para investigar os chamados voos da CIA, obviamente uma das pessoas com quem falei foi com Carlos César, que era nessa altura presidente do governo, que me recebeu com André Bradford, um eurodeputado que acabou de falecer, e a quem eu coloquei questões sobre o que é que se estava a passar nos Açores, face aos dados que nós tínhamos no Parlamento Europeu, etc…E ele foi bastante franco comigo, no que me disse, corroborando tudo aquilo que eu já sabia e o que mais vim a apurar — noutros contactos que tive depois — mas depois, quando mais tarde eu vim dizer publicamente aquilo que tinha apurado, designadamente sobre testemunhas que tinham visto indivíduos com fatos cor de laranja em fila indiana nas instalações americanas da base das lajes, etc., Carlos César foi uma das pessoas que veio atirar-se contra mim, dizendo que com certeza eu estava a ter visões, “nossa senhora, os pastorinhos,” etc. Digamos, em total desintonia com aquilo que ele me tinha dito dentro do gabinete onde me recebeu. Portanto não me surpreende, não me surpreendeu.

E ainda se sente bem no seu próprio partido?
Sinto-me muito bem! Porque me sinto muito apoiada pela base socialista. Tenho imensas mensagens de socialistas, eles próprios preocupados e a querer combater a corrupção. Que são socialistas! Verdadeiros! Não são, não estão no PS como se estivessem num qualquer clube de emprego

Mas esses são os que estão na base do partido?
E…há muita gente séria, e boa, não só nos militantes mas também…

Falou-se de emprego, falou-se em Carlos César, é propositado?
Repare…infelizmente, eu própria quando estava na direção do PS, fui algumas vezes abordada por alguns, até jovens, que me vinham dizer: “Eu queria ser membro do PS porque os meus pais dizem-me que é a melhor maneira de ter emprego”. E eu disse: “Ah, para isso eu não sirvo!” Eu não…

Mas dá-lhes razão agora?
Infelizmente…Mas, repare, isso é o que é típico de partidos de poder. É com o PS, é com o PSD, é com os partidos que estiveram no poder, ou que vão para o poder. Eles são vistos como agências de emprego.

Mas não se agudizou nos últimos anos?
Agudizou-se tudo porque, de facto, as teses neoliberais que têm presidido ao desmantelamento do Estado, ao enfraquecimento do Estado, ao enfraquecimento da ética na política, na economia, etc., são exatamente conducentes a que…quaisquer princípios éticos, em qualquer partido, sejam postos no caixote do lixo.

Falou muito nisso a propósito do caso Sócrates. Desafiou o partido a fazer essa auto-análise. O PS atendeu?
Não, até hoje não fez. Rigorosamente nada. Eu várias vezes fui aos congressos do PS dizer, no tempo do Sócrates, várias vezes fui dizer que era preciso lutar contra a corrupção e etc. Nem eu sabia da missa à metade. Nem eu nem ninguém…Podia haver uma outra coisa que me desinquietava…

E houve.
Houve! Houve o caso, por exemplo, eu lembro-me na altura da história da venda da PT e do Estado não ter cobrado o que era devido por essa venda da VIVO à Oi. E há toda aquela complicação sobre a Golden Share, etc, mas há uma coisa que nessa altura me saltou à vista! É que o Estado poupou 7.5 mil milhões quando foi vendido e portanto poupou uma parcela substancial que devia ter sido em proveito do fisco. E isso foi, obviamente, por conivência dos governantes! Nessa altura isso chamou-me à atenção e falei disso. E portanto, várias vezes falei. Depois de se saber o que se sabe do caso Sócrates, várias vezes disse que o PS tinha que pôr a mão na consciência e tinha que fazer essa autocrítica exatamente para também ganhar fortaleza, para não deixar isso repetir-se! E para também servir de exemplo para outros partidos!

Então ainda não há escudos, isso pode voltar a repetir-se?
Pois pode voltar a repetir-se. Infelizmente pode voltar a repetir-se

Porque é que o PS não põe essa mão na consciência?
Infelizmente porque todos somos muito brandos. Não faço esse discurso populista de nós e eles…Eles, os que estão na política, [estão] porque nós, todos os cidadãos, permitimos e votamos neles! Se nós começarmos a ser mais rigorosos e exigentes, e a exigir prestação de contas, e a fazer pagar aqueles que sabemos que são corruptos, ou que são permeáveis a todo o tipo de tráfico de influências e etc…nós vamos ter políticos mais sérios e mais capazes. E isto não é um problema apenas nacional. Volto a dizer: é europeu e é global! Mas sem dúvida que aqui no nosso país estamos numa fase muito complicada.

Começamos esta conversa a dizer que o futebol tinha capturado a política…

E não foi só com o PS! O caso Tecnoforma é um escândalo! Então Passos Coelho vai para primeiro-ministro, faz um mandato inteiro de primeiro-ministro com o caso Tecnoforma às costas? Estava mais que exposto pelos jornalistas portugueses. Porque apesar de tudo o que ainda funciona no nosso país é de facto gente séria e persistente no jornalismo, e quem faz o jornalismo de investigação, e que tinha desmontado todo o caso, com todas as ligações, Relvas, por aí fora! Aeródromos que não existiam, que não funcionavam e não sei quê… E, no entanto, esse senhor foi primeiro-ministro e até parece que ninguém põe em causa a honestidade dele! O caso Tecnoforma é altamente elucidante da honestidade do doutor Passos Coelho, lamento imenso.

Ainda não abrimos o dossier Rui Pinto. Vamos abrir, porque é um dossier importante. Sei que falou com a ministra da Justiça, depois de ter visitado…Quantas vezes já visitou Rui Pinto?
Duas vezes.

Não sei se se pode saber o que disse a Francisca Van Dunem. Porque aquilo que fica muito claro é que Ana Gomes pensa que Rui Pinto é um bode expiatório.
Eu visitei a ministra juntamente com a minha colega Eva Joly, que é uma reputadíssima magistrada francesa que foi essencial em vários processos de corrupção.

E Rui Pinto é uma peça chave.
Rui Pinto é um denunciante. Não quer dizer que Rui Pinto não possa ter cometido crimes pelos quais possa ser julgado! Mas é insustentável que a magistratura portuguesa, e que a justiça portuguesa, desvalorizem o manancial de informação extraordinário que ele pôs cá fora, através do football leaks, que estão no domínio público, que não está a ser utilizado pela imprensa, pela justiça, para ir atrás dos corruptos e dos criminosos e se foque apenas no Rui Pinto! Que embora possa ter cometido crimes, como hacker…

Nem conseguiu demover a ministra da Justiça?
A ministra da Justiça conhece muito bem Eva Joly, percebeu perfeitamente o que estava em causa. Naturalmente, a ministra da Justiça não pode intervir no sistema de justiça, tal como está a funcionar. Mas ouviu-nos. E naturalmente aqui, peça chave, é a própria senhora Procuradora Geral da República que é suposta ser, digamos…

O garante, até, da separação de poderes.
O garante da separação de poderes mas o garante também de que a justiça funciona. E no caso de Rui Pinto há aspetos que me preocupam imenso. O que é que é a Doyen? Um fundo de investimento que nem sequer paga impostos em Portugal, que não está sediado cá, está sediado em Malta, e que é, tudo indica, uma organização criminosa com ligações ao Cazaquistão. A justiça portuguesa ao serviço da Doyen? Sei, hoje, que houve elementos da justiça portuguesa, designadamente da PJ [Polícia Judiciária], que andaram atrás de magistrados a tentar convencê-los a ir atrás da Doyen. Rui Pinto denunciou que houve elementos da PJ que instruíram a Doyen a fazer a queixa… Isto é muito estranho, é muito estranho.