Rádio Observador

PSD

Rui Rio fala em degradação brutal dos serviços públicos

625

O líder do PSD diz que o Governo aumentou os impostos "como nunca", mas os serviços públicos continuam a piorar, sobretudo na saúde, nos transportes ou nos cartórios notariais.

FERNANDO VELUDO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O presidente do PSD, Rui Rio, defendeu esta quinta-feira que o Governo de António Costa degradou os serviços públicos de “forma brutal” e aumentou os impostos “como nunca”, sendo este caminho “completamente errado”.

É preciso pensar no que foi este Governo nos últimos quatro anos e no que fez. E este degradou os serviços públicos aos portugueses de uma forma brutal e, ao mesmo tempo, aumentou os impostos como nunca se aumentou em Portugal, a carga fiscal está como nunca esteve ao longo da história toda de Portugal”, disse na entrega das listas pelo círculo eleitoral do Porto às eleições legislativas.

Se se pagam mais impostos os serviços públicos deveriam ser melhores, mas não é isso que acontece, aliás estão piores, argumentou.

A propósito, o social-democrata apontou a degradação, sobretudo, na saúde, nos transportes ou nos cartórios notariais, lembrando as demoras para pedir o cartão de cidadão ou a reforma.

Além disso, na educação, o presidente do PSD afirmou que o Governo não fez os concursos para os assistentes operacionais a tempo, o que significa que não vai haver pessoal suficiente para o arranque das aulas.

“Isto é desleixo, degradação e desprezo pelos serviços públicos”, reforçou.

Rio considerou que também os salários deveriam ser “elevadíssimos”, particularmente na função pública, o que não é o caso.

Isto é sinónimo de péssima gestão porque com mais dinheiro fazem pior”, realçou.

Portanto, nas eleições legislativas, o presidente do PSD declarou que as pessoas vão dizer se querem mais quatro anos iguais ou se querem mudar para melhor, acrescentando que a avaliação a este Governo não deve ser feita com base nos últimos acontecimentos, mas no que foi feito nos últimos anos.

E, a este respeito, Rui Rio salientou que os dados económicos são tudo “menos saudáveis”, falando em degradação do défice externo e no aumento do endividamento de Portugal perante o mundo.

Esse foi o indicador fundamental que, há uns anos, trouxe a ‘troika’ a Portugal, mas não estou com isto a dizer que rapidamente vem aí a ‘troika’, mas a dizer que o caminho que estamos a seguir é errado”, ressalvou.

À entrada do Tribunal da Relação do Porto, onde as listas foram entregues, Rui Rio foi abordado por funcionários judiciais, vestidos com camisolas pretas, onde se lia “justiça para quem trabalha”, para lhe darem conta dos problemas do setor.

Criticando o executivo de António Costa de “nada fazer”, estes profissionais pediram ao social-democrata ajuda e atenção ao assunto, lembrando a existência de uma “grande discriminação” na justiça por fazer por uns e não por outros.

Os funcionários revelaram que há 1.180 lugares no setor por preencher e que, a falta de pessoal, atrasa o andamento dos processos.

“A justiça entope na parte administrativa porque não temos condições de resposta para os magistrados”, referiram.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)