Rádio Observador

Família Real Britânica

Príncipe André terá recebido massagens de duas jovens no apartamento de Epstein, diz alegada troca de mensagens

Uma troca de emails entre Evgeny Morozov e o agente mostra que o princípe André esteve a receber massagens de duas jovens na casa do multimilionário acusado de abusos. E queixou-se da exposição.

Uma das testemunhas que faz parte de um caso contra Epstein na Florida, nos Estados Unidos, revela que terá sido forçada a ter relações sexuais com o príncipe André por três vezes

Getty Images

Uma alegada troca de emails entre o escritor Evgeny Morozov e John Brockman, o seu agente, revela que o príncipe André,  foi visto no apartamento do multimilionário norte-americano Jeffrey Epstein, que se suicidou na prisão onde estava acusado de tráfico sexual de menores e se suicidou na prisão, a receber uma massagem nos pés dadas por duas jovens russas. Essa troca de mensagens foi publicada pelo próprio Morozov na revista New Republic.

No artigo, o escritor diz que está prestes a cortar ligações com John Brockman por este continuar sem falar sobre as suas ligações a Epstein. “O John tem aparecido nas notícias por causa das suas ligações perturbadoras ao Jeffrey Epstein”, começou por escrever. E acrescentou: “Passou mais de um mês desde que o Epstein foi preso por causa das últimas acusações. Até hoje, não houve uma palavra sobre isto. Agora que encontrei um email antigo que ele me enviou, não acredito que ele não sabia nada sobre as aventuras sexuais selvagens de Epstein”.

O primeiro email que Morozov mostra, datado de 2013, revela que John Brockman, na última vez que visitou a residência de Epstein, em Nova Iorque, revelou que encontrou também “um homem britânico de fato e suspensórios a receber massagens nos pés de duas jovens russas bem vestidas”. Até este ponto, o nome do duque de York ainda não tinha sido mencionado nos emails, mas já havia algumas pistas de que se tratava do príncipe britânico. Evgeny Morozov garante que nesta altura não sabia quem era Epstein.

Depois de me dar um sermão sobre cibersegurança, o britânico, chamado Andy, estava a comentar o caso das acusações das autoridades suecas contra Julian Assange. Achávamos que na Suécia eram liberais, mas é mais como o norte de Inglaterra oposto ao sul da Europa”, acrescentou Brockman no email.

O agente diz ainda que “Andy” se queixou também da sua grande exposição pública que o impedia de fazer algumas coisas, como sair à noite. E foi logo de seguida que se percebeu que “Andy” era mesmo o filho da rainha britânica, Isabel II. “Percebi que o cliente da massagem nos pés era a Sua Alteza, Príncipe Andrew, o duque de York”. O email termina com a informação de que, uma semana depois, “num dia de notícias lentas”, a capa do NY Post tinha uma fotografia completa de Jeffrey Epstein e o príncipe André no Central Park, em Nova Iorque, com o título: “O Príncipe e o Perv [pervertido]”.

Uma das testemunhas que faz parte de um caso contra Epstein na Florida, nos Estados Unidos, revela que terá sido forçada a ter relações sexuais com o príncipe André por três vezes, entre 1999 e 2002, quando ainda era menor de idade. Este ano, o caso complicou-se ainda mais para o irmão de Carlos e Eduardo: não só há mais pormenores sobre essa acusação, como é conhecida uma segunda acusação de comportamento impróprio com uma menor. E há um vídeo que coloca o duque de York precisamente dentro da mansão onde Epstein — que entretanto se suicidou na prisão — abusaria sexualmente de uma série de menores.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Maternidade

Como dói um sonho quando morre /premium

Eduardo Sá

Arrasta-se para o carro. Chora, finalmente. Grita. Geme. Não acredita que nada daquilo esteja a acontecer. E confronta-se com o absurdo de ter um útero a servir de urna quando, antes, ele era só o céu

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)