Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um vídeo onde se vê Jeffrey Epstein a sair com uma jovem, de idade indeterminada, da sua mansão milionária em Manhattan. Esta seria só mais uma peça do puzzle no caso do milionário acusado de tráfico sexual de menores, que se suicidou na prisão na semana passada, divulgada este domingo pelo tabloide Daily Mail. Mas esta é uma peça que vai mais longe, por envolver outra pessoa: cerca de uma hora depois de Epstein sair com a rapariga, um homem é visto a despedir-se de outra jovem. E esse homem é precisamente o príncipe André, cuja antiga relação de amizade com Epstein, anteriormente condenado por ter mantido relações sexuais com menores, tem trazido dissabores à família real britânica ao longo dos anos.

A ligação do milionário norte-americano com o príncipe André é conhecida desde 2011. O facto de Epstein já ter sido condenado em 2008 a 18 meses de prisão por prostituir uma menor fez com que, ao ser tornada pública a amizade entre os dois — que se manteve mesmo após a condenação do milionário —, o príncipe se demitisse do cargo de embaixador comercial britânico. À altura, como noticiava o New York Times, o Palácio de Buckingham decidiu relevar “o papel que [o príncipe] teve como representante especial do Reino Unido”, mas André não teve outra hipótese senão afastar-se do cargo público, que ocupava há dez anos. Seria a primeira consequência por ser amigo de Epstein.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.