Rádio Observador

Incêndios

Mais de 2.300 operacionais e 24 meios aéreos no combate a incêndios

191

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil registava, às 17h50, um total de 63 incêndios. O de Castro Daire, que lavrou com intensidade desde a madrugada, já está em fase de resolução.

NUNO ANDRÉ FERREIRA/LUSA

Um dos dois incêndios que tem lavrado com intensidade no concelho de Castro Daire desde a madrugada entrou em fase de resolução às 17h45, disse à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro.

No combate às chamas do fogo de Monteiras encontravam-se envolvidos, às 18h10, 243 operacionais, apoiados por 70 viaturas, de acordo com a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC). O incêndio que lavra em Moledo, com início às 02h24, mobilizava 290 operacionais, apoiados por 76 veículos e nove meios aéreos.

Fonte do CDOS de Viseu disse à agência Lusa que o combate “está a evoluir favoravelmente”. Os dois fogos lavraram em zonas de “acessos difíceis”, mas não ameaçaram localidades ou habitações, adiantou a mesma fonte.

Mais de 2.300 operacionais e 24 meios aéreos estão este domingo à tarde envolvidos no combate aos incêndios no país, sendo os mais preocupantes os fogos que deflagraram nos distritos de Viseu e do Porto, segundo a Proteção Civil.

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) registava, às 17h50, um total de 63 incêndios que lavram sobretudo no Centro e Norte do país no país, mobilizando um total de 2.367 operacionais, 674 viaturas e 24 meios aéreos.

Dos 63 incêndios, oito estão em curso, oito em resolução e 47 em conclusão, indica a página da internet da ANEPC.

De acordo com a ANEPC, Um outro incêndio no concelho de Baião, no distrito do Porto, envolve 71 combatentes, 16 viaturas e dois meios aéreos. Este fogo começou às 12h59 e “está ativo com duas frentes”.

Em declarações ao Observador, Humberto Sarmento, comandante de operações de Viseu, explicou que “há duas frentes ativas, uma com aproximadamente 300 metros”: “Estamos a reforçar com meios, nomeadamente com dois meios aéreos que acabaram de chegar ao céu. A outra frente tem 180 metros e está a ser atacada com um combate direto“.

Humberto Sarmento explica que “o terreno é muito difícil em termos de progressão” e que a evolução do incêndio “dependerá da facilidade de acessos que se encontrem ou se criem com máquinas de arrasto”. Apesar de algumas estradas municipais terem sido encerradas “para evitar que a população não circule em zonas perigosas”, não há aldeias em perigo.

A Proteção Civil mantém ainda nas ocorrências importantes o incêndio em Cinfães, no distrito de Viseu, que se encontra em fase de resolução com 61 operacionais e 21 viaturas.

Dados provisórios do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) indica que, entre 01 de janeiro e hoje, ocorreram 9.186 incêndios que queimaram 31.328 hectares.

Notícia atualizada às 13:00

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)