Rádio Observador

Espanha

Números de mortos na tempestade em Espanha sobe para 5

506

Duas vítimas são dois irmãos e seguiam num carro que foi arrastado por uma tromba de água. Terceira vítima morreu num túnel alagado e a quarta presa num carro. Quinta vítima foi confirmada esta tarde.

Uma das localidades mais afetadas é Onteniente, em Valência

AFP/Getty Images

O número de mortos provocados pelas chuvas torrenciais que estão a afetar o sudeste de Espanha subiu para cinco, está a avançar esta sexta-feira o El Mundo. Um homem morreu preso num carro submerso em Granada. Outromorreu durante a madrugada em Almería depois do carro em que seguia ter ficado preso num túnel alagado. Ainda na quinta-feira, dois irmãos, de 61 e 51 anos, morreram depois de o carro onde seguiam ter sido arrastado por uma tromba de água em Caudete, no município de Albacete. A informação foi confirmada pelo governo de Castilla-La Mancha.

Perante as notícias das primeiras vítimas mortais, Emiliano García-Page, presidente da região autónoma, lamentou “profundamente” as duas vítimas mortais e agradeceu o trabalho dos serviços de emergência. A região mais afetada continua a ser, contudo, a de Valência, onde se têm vindo a registar valores históricos de queda de água. No município de Onteniente, caíram 300 litros de água por metro quadrado nas últimas 24 horas. Esta é o valor mais elevado registado na região desde 1971, quando se começaram a recolher os dados pluviométricos.

150 pessoas evacuadas na região de Valência

As chuvas torrenciais fizeram galgar as margens do rio Clariano, obrigando à evacuação, durante a manhã desta quinta-feira, do bairro de Caterería, uma zona degradada de Onteniente onde vivem 150 pessoas. Destas, 40 tiveram de ser resgatadas das suas casas. Não houve feridos. O mau tempo nesta localidade obrigou também à interrupção de ligações ferroviárias locais. Este corte está a afetar as ligações de longa distância entre Alicante e Barcelona, adianta o El Mundo.

[Um vídeo que mostra o nível caudal do rio Clariano, em Onteniente:]

Em Font de la Figuera, a linha de comboio transformaram-se num rio depois de terem caído 200 litros de água na região. A que liga Valência e Alicante foi arrastada pelas águas fluviais, refere o El País. Em Beniarrés, também em Valência, registaram-se 351 litros por metro quadrado, de acordo com a agência de notícias Efe.

[A situação em Font de la Figuera:]

Em Múrcia, 500 pessoas foram retiradas de casa e 40 estradas municipais foram cortadas ao trânsito na sequência da tempestade. As localidades de Torre Pacheco e San Javier estão a ser inundadas porque o Rio Segura transbordou. Isso obrigou o governo regional a ativar o estado de emergência e a pedir ajuda militar para combater o fenómeno meteorológico. Noventa operacionais estão neste momento em Múrcia para responder ao socorro.

Em Almería, onde se registou a terceira vítima mortal, 70 pessoas estão a ser retiradas de um parque de campismo na localidade de Pujaire. O aeroporto está fechado.

Tornados atingem Dénia e Guardamar del Segura mas não fazem feridos

Em Dénia, um pequeno tornado provocou danos no pavilhão polidesportivo municipal e a queda de sinais de trânsito, árvores e telhados. O mesmo fenómeno atingiu Guardamar del Segura, afetando vários edifícios, incluindo um colégio. Não houve feridos. Ainda em Dénia, 853 pessoas ficaram sem gás, eletricidade ou luz, uma situação que também afetou os consumidores de Agullent.

Nas províncias de Alicante e Valência, 338 mil alunos ficaram sem aulas, em 191 municípios. Em Murcia, não se registaram até ao momento incidentes graves, mas as autoridades montaram um dispositivo de prevenção. Os serviços de meteorologia espanhóis estão a prever ondas de três metros para as ilhas de Ibiza e Formentera.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)