Rádio Observador

Espetáculos

Teatro Municipal do Porto tem nova programação e quer ser casa para os jovens artistas da cidade

Ao fim de cinco anos como diretor artístico, Tiago Guedes faz um balanço positivo em entrevista ao Observador, partilha as prioridades para o futuro e destaca o que ver na próxima temporada.

O Teatro Municipal do Porto apresenta esta quinta-feira a programação até fevereiro de 2020

“Chegámos a um ponto de consolidação do projeto e embora as pessoas pensem que ele sempre esteve cá, não é verdade. Tem cinco anos e ainda é algo recente na cidade”, começa por dizer Tiago Guedes, diretor artístico do Teatro Municipal do Porto (TMP), em entrevista ao Observador. O balanço é positivo e os números ditam isso mesmo. Nos dois polos do TMP — Rivoli e Campo Alegre — desde 2014 passaram mais de 600.000 pessoas, o que representa 90% de taxa de ocupação, para ver 570 espetáculos de dança, teatro, música, cinema, circo contemporâneo, literatura ou marionetas.

O teatro conseguiu ir além da sua missão, por um lado, apresentou uma programação internacional forte de dança e teatro, mas por outro lado deu um grande apoio aos artistas e companhias da cidade que aqui apresentam as suas criações.”

Tiago Guedes sublinha que grande parte do orçamento e da programação disponíveis são dedicados a companhias do Porto e que esse apoio passa pela cedência de espaços de ensaio e de residências artísticas. O coreógrafo e diretor artístico encontrou em 2014 um teatro “com uma escala de visibilidade muito reduzida” e, por isso, alterar o seu posicionamento tornou-se fundamental. Hoje o TMP trabalha com grandes estruturas a nível nacional e no universo internacional estabeleceu parcerias que “possibilitam a circulação de artistas estrangeiros, mas também dão a conhecer artistas que co-produzimos e que passam a ser apresentados ou seguidos com mais atenção por estes parceiros”.

No futuro, “não nos podemos sentar à sombra da bananeira”, é necessário solidificar o que tem sido feito e implementar novidades. Uma delas é o projeto de jovens artistas associados, um programa de acompanhamento aos novos talentos nas artes performativas da cidade, num trabalho que junta a formação e a produção.

A estrutura do teatro é tão vasta que consegue chegar a um público muito alargado e a um conjunto de artistas muito abrangente, desde os mais consagrados que passam pela cidade do Porto e que toda a gente quer ver, sendo também uma ferramenta de trabalho para os jovens que se têm formado connosco, realizando os workshops e as materclasses que propomos.”

Tiago Guedes refere que é “interessante perceber como o teatro é uma casa e uma ferramenta para os artistas se desenvolverem depois das suas formações”, e promete que o TMP vai estar “muito atento” aos novos talentos que saem das escolas, afinal, serão eles os grandes artistas do futuro e o teatro tem “a responsabilidade de os acompanhar”.

Flamenco, mirandês e uma biografia na nova programação

Em conversa com o Observador, Tiago Guedes destaca alguns espetáculos integrados na programação “intensa” dos próximos seis meses. A presença espanhola, cada vez mais vincada no TMP, será reforçada no início desta temporada com a estreia de “La Fiesta”, uma peça de Isreal Galván, seguindo-se de um concerto de Ninho de Elche no Café Rivoli, ambos sevilhanos. “Tratam-se de dois dos maiores artistas contemporâneos cuja base é o flamenco.”

Em outubro, o Teatro do Campo Alegre recebe a peça “A menor língua do mundo”, de Alex Cassal e Paula Diogo, um trabalho que parte do pressuposto que em 2100 o mundo poderá ter perdido metade das suas línguas, ou seja, dos 7000 idiomas falados atualmente, prevê-se que 50% não sobrevivam até ao final do século. Num processo criativo de pesquisa e investigação, a dupla fez uma viagem às regiões portuguesas onde ainda se falam línguas como o mirandês, aragonês ou barranquenho, mostrando como todas convivem e sobrevivem. Um espetáculo antropológico, que revela uma parte do país menos visível, mas cheia de tradições.

Vindo diretamente de França, o encenador, artista visual e cenógrafo, Philippe Quesne regressa ao Rivoli para apresentar uma fábula sobre a natureza humana, em constante processo de tentativa e erro. Em “Crash Park, la vie d’une île”, Philippe parte de um cenário concreto onde um acidente de avião numa ilha deserta pode tornar-se “uma metáfora para o presente, uma visão de futuro próximo, um recomeço para (quase) tudo ou um bom início para uma história”. Em palco estará uma ilha, fauna e flora improvisadas, animais, um vulcão e alguns sobreviventes do desastre, num texto onde o sentido de humor peculiar do encenador será evidente.

De 9 a 15 de dezembro, a semana é dedicada às famílias e aos mais novos, com um calendário repleto de espetáculos, workshops e conferências no Campo Alegre. “Propor a nossa programação desde tenra idade é importante. Este programa paralelo é talvez o menos visível, mas é estrutural e pensado a médio e a longo prazo, pois acreditamos verdadeiramente que se os miúdos se habituarem a vir ao teatro vão ser o público de amanhã.”

Tiago Guedes reforça ainda o 88.º aniversário do Teatro Rivoli, que este ano se prolonga por três dias — 16, 18 e 19 de janeiro de 2020 – onde será apresentado de forma gratuita “uma espécie de cartão de visita do que é o teatro”, condensando a própria programação em espetáculos e atividades. Entre novas criações e réplicas, há muito para ver, sendo que um dos destaques vai para “Little B”, a nova criação da companhia Visões Úteis, inspirada na bibliografia profissional do ator Mário Moutinho, explorando a “pluralidade de vidas que uma vida pode conter”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)