“Sobre Paulo Gonçalves só sei aquilo que se falou nos jornais. Ele é um extraordinário profissional, deu muito ao Benfica e estou superconvencido de que será ilibado” — esta foi a posição de Luís Filipe Vieira (LFV), presidente do Sport Lisboa e Benfica, sobre um dos vários temas que lhe foram apresentados numa grande entrevista na TVI, que foi transmitida esta terça-feira. O líder dos encarnados abordou assuntos como as ligações com Jorge Mendes (incluindo no negócio de João Félix e Vinicius), o “Benfica europeu” e o futuro, numa conversa longa, dividida em dois blocos, onde até se falou na possibilidade do emblema do SLB poder vir a ser alterado.

O caso e-toupeira foi um dos primeiros temas quentes a ser abordado e a sua posição em relação a Gonçalves, como se pôde perceber, foi de confiança no homem que LFV diz ser um “superprofissional”. Esse sentimento aplica-se também aos tribunais portugueses: “Vivemos num estado de direito e eu sou daqueles que acredita cegamente na justiça. Há justiça neste país”, afirmou antes de destacar o facto de o Benfica ter sido “ilibado de tudo”. “Se alguma vez o Benfica for condenado por corrupção, imediatamente pedirei a demissão”, garantiu. Apesar de deixar claro que nem ele nem a direção souberam daquilo que Gonçalves pudesse, “alegadamente”, ter feito, defende que “estão todos de consciência tranquila”.

Virando o tema ao contrário, em direção aos “concorrentes que agiram de forma miserável, fora das quatro linhas”, o líder benfiquista disse apenas que o clube “sairá mais forte” de todo este processo. “Continuem assim que mais força nos dão para ganhar”, rematou.

Muito se tem falado sobre a conhecida ligação do SLB com o superempresário Jorge Mendes, o “senhor 10%” que tem estado envolvido nos grandes negócios do clube. Vieira não tem qualquer problema em confirmar esta ligação entre o emblema e o agente e também não teve pruridos ao explicar o envolvimento de Mendes no negócio de João Félix. “Jorge Mendes aparece no negocio João Félix porque quando a clausula de rescisão ainda era de 60 milhões”, começa por explicar. LFV conta que nesse momento fez um acordo com Mendes: “Disse-lhe que íamos subi-la para 120 milhões e que se houvesse alguém a chegar a esse valor ele receberia os seus 10%.” E foi assim que tudo aconteceu.

“O Jorge [Mendes] fez uma parceria com o agente dele [João Felix] no momento de renovação do contrato” e a proposta do Atlético de Madrid acabou por chegar.