O condutor do Porsche que atropelou quatro pessoas na Avenida 24 de Julho, em Lisboa, ficou esta quarta-feira em prisão preventiva, apurou o Observador junto de fonte ligada ao processo. Depois do atropelamento, o homem de 42 anos, fugiu e acabou por se despistar na rua Garcia da Orta, onde viria a ser encontrado o carro. Mais tarde, entregou-se às autoridades e foi detido pela Polícia Judiciária (PJ).

Os factos foram cometidos no final da madrugada de ontem [segunda-feira], na Avenida 24 de julho, em Lisboa, quando o presumível autor, conduzindo velozmente, em contramão, uma viatura que possuía, investiu contra um grupo de seis pessoas que se encontrava à porta de um estabelecimento de diversão noturna”, lê-se no comunicado da PJ.

Os investigadores entenderam que o atropelamento não foi um acidente, mas sim propositado e com a intenção de matar as seis pessoas. O homem é assim suspeito da prática de seis crimes de homicídio na forma tentada, acrescentou a PJ em comunicado de imprensa. Depois de atropelar as pessoas, o condutor fugiu e acabou por se despistar na rua Garcia da Orta, na zona da Lapa, tendo abandonado o carro na via pública e “seguido para paradeiro incerto”, referiu ainda a PJ.

De acordo com o Correio da Manhã, o homem de nacionalidade espanhola fora impedido de entrar na discoteca Kremlin por já se encontrar fechada e terá entrado “em conflito com os seguranças e vários clientes do referido estabelecimento”. O suspeito, um empresário que faz a vida entre Portugal e Espanha, terá então sido movido por vingança.

Do grupo de seis pessoas, quatro foram atingidas: três sofreram ferimentos ligeiros e a quarta “lesões muito graves que levaram ao seu internamento hospitalar e a intervenção cirúrgica urgente, correndo, ainda, perigo de vida”, adianta a PJ.