No discurso da noite eleitoral, Rui Rio evitou responder à questão lançada pelos jornalistas sobre uma possível investida de críticos internos agora que o PSD confirmou um dos piores resultados de sempre em eleições legislativas. “Tem de lhes perguntar a eles“, disse o líder social-democrata. Nem doze horas tinham passado quando os jornais, rádios e televisões começavam a publicar as primeiras notícias com críticas vindo diretamente do interior do partido.

O ex-ministro do PSD Miguel Relvas foi dos primeiros a falar. Em declarações à TSF, considerou que o partido deve ir para diretas rapidamente. “Tem de se resolver com celeridade este processo. Que se marquem novas eleições. Se Rui Rio achar que deve ir a votos, que vá e que explique que expectativa e que alternativa quer construir para daqui a quatro anos, que não foi capaz de construir nestas eleições. Precisamos de uma lufada de ar fresco, de novos protagonistas, de novas políticas e de reconstruir o espaço político”, afirmou.

A ideia foi sendo repetida diversas vezes ao longo do dia, quer por autarcas quer por dirigentes e ex-dirigentes do partido. À Rádio Observador, o presidente da distrital do PSD de Setúbal, Bruno Vitorino, crítico da atual direção, pediu uma “clarificação interna”. “Infelizmente o resultado não foi uma grande surpresa. O PSD teve um resultado que não é honroso e tive uma certa vergonha de ouvir o presidente do meu partido fazer um discurso de uma quase vitória“, disse antes de pedir que o partido entre numa fase de clarificação de estratégia.

O dirigente social-democrata deixa ainda um repto ao líder: “Rui Rio devia ter coragem de avançar. Sou crítico desta estratégia, mas se toda a gente que o rodeia acha que é a estratégia correta, o presidente do meu partido deve avançar”. Se não o fizer, considera Bruno Vitorino, “será por cobardia política”.

Quem também não poupou nas críticas ao líder do PSD foi o presidente da Câmara Municipal de Viseu, Almeida Henriques. O autarca, que apoiou Santana Lopes na corrida interna em janeiro de 2017 e que tem sido um crítico do caminho seguido por Rui Rio, considera que os resultados de domingo têm de ter consequências. “O PSD tem de retirar daqui as suas ilações e eu não vi o partido a tirá-las ontem”. Na sua ótica, o “partido teria tudo a ganhar se houvesse clarificação interna: todos os que acham que têm ideias novas devem vir a jogo“.

Almeida Henriques aponta responsabilidades diretas a Rui Rio e critica o discurso do líder do PSD na noite eleitoral. “Não faz sentido empurrar responsabilidades para todos e mais alguns. Não fez um mea culpa. A mensagem não passou. Estas eleições provaram que era possível ganhar a António Costa se o caminho fosse o correto. Agora, é importante olhar para o futuro”, vaticinou, à Rádio Observador.

Já Ângelo Correia diz ao Observador que o resultado obtido pelo PSD permite que Rui Rio se mantenha de pé. O histórico social-democrata acredita que, para isso, o líder social-democrata não deve perder tempo em assumir que quer continuar no cargo. “Deve dizer esta semana, e rapidamente, que é o líder e quer continuar a sê-lo. Não é na próxima semana, tem de ser já nesta. E tem de concorrer já em janeiro. Se o fizer terá o meu voto”, adiantou.

Apesar de reconhecer que o resultado não é bom, afirma que foi melhor do que chegou a temer-se — “em relação às expectativas subiu muito”, disse — e que isso é suficiente para que não haja uma demissão do líder ou uma antecipação das eleições internas.

Certo é que Rui Rio deve manter-se atento aos próximos passos de António Costa para decidir que posição vai assumir. Pelo discurso do líder social-democrata na noite de domingo não é possível antever qual o passo que prefere dar no curto prazo. E enquanto Rio espera por Costa, os proto-candidatos esperam por Rio. Um passo em falso nesta altura pode ser visto como precipitação e todas as jogadas merecem ponderação. O silêncio vai manter-se. Mas por quanto tempo?