Olga Tokarczuk venceu, no ano passado, o Man Booker Prize Internacional com Viagens. O livro recebeu grandes elogios da crítica e Tokarczuk tem vindo a ser apontada com uma das mais importantes escritoras da atualidade (há até quem a considere uma forte candidata ao Nobel da Literatura, que será anunciado esta quinta-feira, 10 de outubro). O seu mais recente romance, Conduz o Teu Arado sobre os Ossos dos Mortos, também nomeado para o Booker Prize International, vai ser publicado neste mês de outubro em Portugal pela Cavalo de Ferro.

Um “thriller psicológico” e uma “fábula macabra”, Conduz o Teu Arado é, segundo a editora, “um romance irónico e apaixonado sobre os direitos dos animais, a responsabilidade do homem sobre a natureza, assim como uma exploração da ténue fronteira entre sanidade e loucura, justiça, tradição e fé religiosa. Pela forma provocadora com que aborda temas como o ambientalismo e o catolicismo, foi alvo de grande controvérsia no seu país, sobretudo por parte dos setores mais conservadores da sociedade”.

Além deste romance, vão sair, também pela Cavalo de Ferro, os livros Jezabel, da ucraniana Irène Némirovsky, Na Floresta, da irlandesa Edna O’Brien, Gelo, a estreia em Portugal da romancista britânica Anna Kavan (que morreu em 1968), e uma nova tradução de A Marcha de Radetzky, de Joseph Roth. Na Elsinore, o mês também será de apostas fortes, com o lançamento do terceiro livro da tetralogia de Ali Smith inspirada nas estações do ano, do segundo volume da trilogia de Virginie Despentes, Vernon Subutex 2, e de Frankissstein: Uma História de Amor, de Jeanette Winterson, nomeado para o Man Booker Prize deste ano. Em português, sairá Quando Servi Gil Vicente, de João Reis, e Quartos de Final e Outras Histórias, a estreia na edição comercial de Cláudia Andrade.

Outubro trará também um novo livro de John le Carré. Agente em Campo tem lançamento mundial agendado para o dia 29 de outubro, altura em que chegará igualmente às livrarias portuguesas, com edição da Dom Quixote. Será também esta editora que publicará Operação Shylock, de Philop Roth, Perseguidos, de Arne Dahl, e Poemas de Amor, de Pablo Neruda. Dahl participará no FOLIO, o festival literário de Óbidos, que arranca esta quinta-feira, 10 de outubro. Órfãos de Brooklyn, do escritor Jonathan Lethem, vai sair pela Lua de Papel.

A Companhia das Letras vai publicar, perto do final do mês uma das obras essenciais do modernismo brasileiro, Grande sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa. Pela Alfaguara, vai o romance Todas as Almas, de Javier Marías, publicado originalmente em 1989 e há muito esgotado em Portugal, e Bem-vinda a casa, livro que reúne textos autobiográficos nos quais Lucia Berlin estava a trabalhar antes de morrer, em 2004. A Caminho vai lançar O Universo num Grão de Areia, o novo livro de Mia Couto.

A coleção de poesia da Tinta-da-China, dirigida por Pedro Mexia, vai ganhar um novo título em outubro: Câmara Lenta e Outros Poemas, de Marília Garcia, vencedora do Prémio Oceanos no ano passado. Da “Coleção Pessoa” vão sair edições de bolso das obras completas de Álvaro de Campos, Ricardo Reis e Alberto Caeiro. Plexus, de Henry Miller, e a edição de bolso de Confissões de Uma Máscara, de Yukio Mishima, vão sair pela Livros do Brasil. Já a Quetzal vai editar O Amigo do Deserto, de Pablo D’Ors, e O Apelo da Tribo, de Mario Vargas Llosa. Pela Minotauro, vão sair Betão, de Thomas Bernhard, e Killing Eve. Nome de Código: Villanelle, o thriller de Luke Jennings que foi adaptado pela HBO.

A Porto Editora vai publicar Uma Vida Inteira, de Robert Seethaler, uma nova edição de Contos da Sétima Esfera, de Mário de Carvalho, e outra de Paisagem com mulher e mar ao fundo, de Teolinda Gersão, “um retrato de Salazar e do país durante a ditadura, através de personagens que arduamente a atravessaram”, resume a editora. A Sextante vai editar os livros Morrer na Primavera, de Ralf Rothmann, e O prisioneiro de Zenda, de Anthony Hope. O primeiro vai participar no FOLIO, o festival literário de Óbidos.

Jeffrey Archer conta com mais de 250 milhões de exemplares vendidos em 97 países. Muitos deles são de Kane e Abel, romance publicado originalmente em 1979 que os leitores do escritor britânico consideram ser o melhor de entre os 16 que escreveu. O livro conta a história de dois homens, William Kane e Abel Rosnovski, que nasceram no mesmo dia, no início do século XX, em lados opostos do mundo, que se veem unidos por “um sonho comum e pelo destino”. É o primeiro de uma trilogia que será publicada agora em Portugal pela Bertrand.

A Relógio d’Água vai publicar uma antologia de João Miguel Fernandes Jorge, com poemas escolhidos por Joaquim Manuel Magalhães, uma nova edição de O Sermão do Fogo, de Agustina Bessa-Luís, O Gesto Que Fazemos para Proteger a Cabeça, o novo romance de Ana Margarida de Carvalho, Ingmar Bergman: O Caminho contra o Vento, um romance biográfico de Cristina Carvalho, e a reedição de Atlas do Corpo e da Imaginação, de Gonçalo M. Tavares. Na literatura internacional, as apostas serão O Adolescente, de Fiodor Dostoievski, uma antologia de poemas e canções de Leonard Cohen e Nós e Outros Contos, volume que reúne a distopia Nós, que influenciou George Orwell, e vários contos de Evguéni Zamiátin.

Tao Yanming (também conhecido como Tao Qian ou Tao Ch’ien) é o mais aclamado poeta chinês anterior à grande época poética da História da China, durante a Dinastia Tag. Alguns dos seus textos foram reunidos num volume de poesia e prosa com introdução e versões portuguesas de Manuel Afonso Costa, que será publicado neste mês pela Assírio & Alvim. Por esta editora vai ainda sair O Livro dos Gatos Práticos do Velho Gambá, o conjunto de poemas humorísticos sobre gatos que T.S. Eliot foi escrevendo na década de 1930 em cartas aos seus afilhados e que serviu de base ao famoso musical “Cats”. Pela Companhia das Ilhas vai sair Hotel dos Inocentes, o novo livro de Carlos Alberto Machado, Morrer é não ter nada nas mãos, de Nuno Costa Santos, Contos contados, de Álamo Oliveira, e Sombramar, de José Manuel Teixeira da Silva.

A Tinta-da-China vai fazer chegar às livrarias I’m Your Man. A Vida de Leonard Cohen, de Sylvie Simmons, e a Texto vai lançar Winston Churchill, Caminhando com o Destino, a monumental biografia do político britânico da autoria do historiador Andrew Roberts. A Orfeu Negro vai publicar Manifesto Contra-Sexual, de Paul B. Preciado, já considerado um livro de culto da teoria queer. “Incisivo e desafiante, este manifesto convida a repensar as nossas conceções de corpo, género e sexualidade, rejeitando a estrutura heteronormativa do sistema patriarcal e assumindo a plasticidade dos corpos”, resume a editora.

Pela Dom Quixote vai sair O Futuro do Capitalismo, de Paul Collier, e Guerra e Paz, uma História Política do Mundo, de Jonathan Holslag. As Edições 70 vão editar Uma História do Presente. O melhor e o pior dos mundos, de Michael Burleigh, e Asilo Político em Tempos de Salazar. Os casos de Humberto Delgado e Henrique Galvão, de Luís Bigotte Chorão. Já a Temas e Debates vai editar Crises, escolha e mudança, de Jared Diamond, e A Escrita da História, um livro que reúne palestras e conferências que o historiador José Mattoso deu ao longo dos anos para “‘libertar uma voz’ que o ultrapassava, para se juntar à ‘sinfonia da História’”.

Dois Papas, a narrativa de Anthony Mccarten que deu origem ao filme da Netflix sobre a relação do papa Bento XVI e o cardeal Bergoglio, vai sair este mês pela Objectiva. Uma nova edição, revista e atualizada, de Breve História de Portugal, de A.H. de Oliveira Marques, vai ser editada pela Editorial Presença. Pela Quetzal, vai sair Uma Beleza que nos Pertence, uma coleção de aforismos e citações de José Tolentino Mendonça. A Vogais vai editar Tim Cook: O Génio Que Elevou a Apple a Outro Nível, de Leander Kahney.

A Relógio d’Água vai publicar A Rebelião das Massas, de José Ortega y Gasset, uma antologia de ensaios de Hannah Arendt, Pensar sem Corrimão, uma nova tradução de Diogo Pires Aurélio de Ética, de Espinosa, a correspondência entre os escritores Agustina Bessa-Luís e Juan Rodolfo Wilcock (com prefácio de Ernesto Montequin), e Fotomaton — Retratos de Salazar, Cunhal e Soares, de António Barreto. O Funcionamento da Mente. Uma Jornada ao Mais Incrível dos Universos, do psiquiatra e psicoterapeuta Augusto Cury, será publicado pela Pergaminho.

Pela Desassossego vai sair Uma breve história de todas as pessoas que já viveram, um retrato de quem somos e de como nos tornámos assim, de Adam Ruthford, Populismo: A Revolta Contra a Democracia Liberal, de Roger Eatwell e Matthew Goodwin, Viral. A epidemia de fake-news na era da desinformação, de Fernando Esteves e Gustavo Sampaio, e uma nova edição, revista e aumentada, da biografia Álvaro Cunhal: Retrato Pessoal e Íntimo, de Adelino Cunha, originalmente publicada em 2010.

A Presença vai editar mais um volume da edição ilustrada de Harry Potter. Neste mês, vai chegar às livrarias Harry Potter e o Cálice de Fogo, com ilustrações de Jim Kay. A Porto Editora vai publicar O Monstro que Veio do Gelo, de David Walliams.

A Orfeu Negro Mini vai publicar Nina, de Benji Davies, Troca-Tintas, de Gonçalo Viana, e Histórias da Mamã Ursa, de Kitty Crowther. Pela Minotauro vai sair a história do unicórnio Nico, de Natalina Cóias.