Um camião de transporte de pedras caiu este sábado para o interior de uma pedreira no concelho de Vila Viçosa (Évora). A Proteção Civil suspeita que o motorista, com cerca de 50 anos, se encontre no interior do veículo, que ficou submerso. O comandante distrital de Operações de Socorro (CODIS) de Évora, José Ribeiro, revelou à agência Lusa que esta manhã “caiu uma máquina, tipo um camião, que estava a trabalhar e a deitar pedras” numa pedreira situada na freguesia de Vila Viçosa.

“O camião estava a trabalhar ali. Ainda não foi retirado, está submerso” no interior da pedreira, que tinha água, “e, provavelmente, o motorista ainda está lá dentro”, acrescentou José Ribeiro, que disse não se encontrar no local da ocorrência, onde está o comandante do Comando Distrital de Operações de Socorro de Évora (CDOS). As buscas foram interrompidas a meio da tarde, depois de uma equipa de mergulhadores ter estado a tentar localizar a vítima.

O alerta para o acidente, disse à Lusa fonte do CDOS de Évora, foi dado às 09h42 e foram mobilizados meios dos bombeiros para o local. Contactado pela Lusa, o Comando Territorial de Évora da GNR confirmou que os bombeiros “receberam o alerta” para o acidente “por volta das 10h” e que este envolveu “um camião de transporte de pedras, dos materiais da pedreira”. O camião encontra-se a 20 metros de profundidade, confirmou a Proteção Civil de Évora.

“Pelo que conseguimos apurar, foi um acidente de trabalho. O condutor do camião andava dentro da pedreira a transportar pedras de um lado para o outro e, num dos transportes, deve ter-se chegado demasiado à berma e o veículo caiu numa ravina e está, neste momento, submerso”, disse a fonte da força de segurança.

Numa altura em que está quase a cumprir um ano (a data assinala-se no próximo dia 19) do acidente ocorrido no vizinho concelho de Borba, que provocou cinco mortos, devido ao aluimento de parte de uma estrada municipal que arrastou terra e pedras para o interior de pedreiras, a fonte da GNR frisou que a ocorrência de hoje é distinta. “Do que apurámos, nada tem a ver com as condições da pedreira, nem com fatores externos. Foi um acidente de trabalho, se calhar por alguma distração do condutor”, afirmou.

Inquérito do Ministério Público a Borba prestes a ser finalizado

O inquérito instaurado pelo Ministério Público (MP) ao acidente ocorrido em pedreiras de Borba (Évora), há quase um ano e que provocou cinco mortos, está praticamente finalizado, revelou esta sexta-feira à agência Lusa fonte policial. Tanto a Procuradoria-Geral da República (PGR), como o MP de Évora, limitaram-se a responder, através de correio eletrónico, que o processo está “em investigação, vigorando o regime do segredo de justiça”.

“A investigação está a decorrer, nos moldes estabelecidos e que se tiveram por adequados e justificados, com a realização das diligências pertinentes com vista à recolha de elementos de prova pessoal, documental e pericial”, indicaram.

O inquérito, instaurado para apurar as circunstâncias em que ocorreu o acidente, é dirigido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Évora, coadjuvado por duas equipas da Polícia Judiciária (PJ), uma delas do Laboratório de Polícia Científica (LPC).