Os cones de borracha que são utilizados para delimitar zonas de obras ou áreas mais delicadas definidas pelas autoridades são um verdadeiro desafio para os sistemas de ajuda à condução. Isto porque, ao serem poucos densos, os radares a que muitos sistemas recorrem não são capazes de detectá-los, “atropelando-os” sem os “verem”.

Porém, apesar de os Tesla também utilizarem radares, para detectar peões e outros veículos, o seu Autopilot dá muita relevância às câmaras de vídeo para se orientar, especialmente depois da mais recente actualização ter permitido ao processador deste sistema de ajuda à condução reconhecer a presença de cones de tráfego, segundo a Tesla.

Apesar de nenhum sistema de navegação ou ajudas à condução detectar os ditos cones, o Autopilot da Tesla consegue vê-los e respeitar a faixa de rodagem por eles definida, como provaram os Tesla hackers verygreen e damianXVI. Depois de acederem ao ECU do Autopilot, conseguiram extrair imagens do que ele consegue detectar nestas condições, bem como a forma como evita estes novos obstáculos.

Embora esta solução incremente a segurança dos utilizadores dos modelos da Tesla, o fabricante americano continua a salientar que se trata de um sistema de ajuda ao condutor, ainda que cada vez mais eficaz e complexo.

Pela regulamentação, continua a ser o condutor o responsável, o que significa que não só deverá estar atento, como pronto a assumir o volante a todo o momento.