A circulação de comboios vai continuar suspensa por tempo indeterminado entre Alfarelos, concelho de Soure, e Verride, concelho de Montemor-o-Velho, afetando o ramal Coimbra-Figueira da Foz, disse à agência Lusa fonte da Infraestruturas de Portugal (IP).

“A suspensão da circulação vai prolongar-se mais alguns dias, dado que ainda não foi possível apurar os danos no pilar da ponte do Marujal provocados por uma derrocada” causada pela depressão Elsa, adiantou a mesma fonte. Segundo a IP, “as águas do rio Arunca ainda estão três metros acima da base do aterro, pelo que enquanto não baixarem não é possível confirmar com a necessária exatidão a extensão dos danos ou implementar qualquer solução”. “Enquanto o nível da água não descer não será possível restabelecer a circulação de comboios”, sublinhou a fonte.

A solução a desenvolver, acrescenta, “terá como pressuposto ser de rápida concretização, tendo em vista uma pronta reposição das condições de segurança e circulação”. Os efeitos do mau tempo da semana passada, na sequência das depressões Elsa e Fabien, provocaram três mortos e deixaram 144 pessoas desalojadas, registando-se mais de 11.600 ocorrências, na maioria inundações e quedas de árvores.

O mau tempo levou também a condicionamentos na circulação rodoviária e ferroviária, danos na rede elétrica e a subida dos caudais de vários rios, provocando inundações em zonas ribeirinhas das regiões Norte e Centro, em particular no distrito de Coimbra. No rio Mondego, a rutura de dois diques provocou cheias em Montemor-o-Velho, onde várias zonas foram evacuadas e uma grande área, incluindo muitas plantações, estradas e o Centro de Alto Rendimento, ficou submersa.

A situação começou a ter na segunda-feira os primeiros sinais positivos de melhoria e diminuição do grau de risco, segundo a Proteção Civil.