Aumentou em 27% o número de trabalhadores portugueses que emigraram para o Reino Unido entre setembro de 2018 e o mesmo mês deste ano, indicam os dados da Segurança Social britânica referidos esta sexta-feira pelo Jornal de Notícias. Foram 23.570 pessoas, mais 5.076 do que no período homólogo anterior.

As estatísticas indicam agora que, apesar da iminência da saída do país da União Europeia, a emigração continua a crescer. Em declarações ao Jornal de Notícias, Rui Pena Pires, presidente do Observatório da Emigração, prevê que a saída de portugueses para o Reino Unido deve voltar a crescer em 15% em 2019, contrariando a redução de 50% que havia sofrido no ano passado — o valor mais baixo da década.

Ainda assim, o sociólogo explica que os números apontam para uma estabilização da emigração para o Reino Unido. Apesar de Portugal continuar a ser o país da União Europeia que mais emigra para aquele país — e o terceiro do mundo —, “a curva da emigração começa já a apontar no sentido da estabilização, o que acontecerá sempre num valor acima do que estava antes da crise”, prevê Rui Pena Pires ao Jornal de Notícias.

Em termos de emigração, “tudo vai depender do que acontecer no Reino Unido” depois da data limite para o Brexit”, indica o especialista: “Se o governo de Boris Johnson passar a controlar a entrada de imigrantes, como prometeu, a emigração portuguesa vai baixar, mas não vai deixar de vir cá buscar enfermeiros e outros profissionais”.

Em entrevista ao Jornal de Notícias, o presidente do Observatório da Emigração nota também que este aumento do número de emigrantes portugueses no Reino Unido pode expressar apenas um aumento de registos naquele país — não um incremento no número de novas saídas para lá. “Pode estar a acontecer no Reino Unido o mesmo que sucedeu com a imigração britânica em Portugal, ou seja, um aumento de registos com medo das consequências da indocumentação quando rebentar o Brexit”, concluiu.