O Presidente da República mantém os planos (pelo menos até esta hora) e vai entrar em 2020 na ilha mais pequena dos Açores, o Corvo, onde os Censos de 2011 contaram 430 habitantes. Marcelo Rebelo de Sousa tem a noite de passagem de ano programada para o Ginásio da Escola Básica e Secundária Mouzinho da Silveira do Corvo, com um jantar onde estão previstas estar entre 200 a 250 pessoas, metade da população corvina.

No plano previsto pela Presidência da República e que ainda está de pé esta segunda-feira, Marcelo chegará a 31, esta terça-feira, ao Corvo e no dia 1 de janeiro é de lá que vai transmitir a tradicional Mensagem de Ano Novo, pela hora de almoço. Depois disso embarcará rumo a Lisboa.

Mas a curta visita do Presidente — a segunda de Marcelo à ilha, que já esteve no Corvo em junho de 2016 — ainda depende das condições atmosféricas, já que há mau tempo previsto pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) naquela região, com a passagem de uma superfície frontal fria. No domingo, o IPMA previu para esta terça-feira, nas ilhas do grupo ocidental (Flores e Corvo), muita nebulosidade e períodos de chuva, com o vento a soprar com rajadas até 100 quilómetros por hora, segundo a Lusa.

A ilha tem apenas 6,5 km de comprimento e 4 km de largura e é lá, numa das regiões mais isoladas do país, que Marcelo Rebelo de Sousa pernoitará no primeiro dia de 2020. Na última ida aos Açores, Marcelo ainda teve tempo para um mergulho (fora do programa) em Ponta Delgada, na altura justificou: “Ir aos Açores e não nadar é como ir a Roma e não ver o Papa”. Agora volta no pico no inverno.