A Bundesliga teve a habitual paragem de inverno e no regresso os holofotes até começaram mais apontados ao banco do que propriamente ao relvado. Ali, ao lado de nomes como Mario Götze, Schulz, Reyna ou Larsen estava um gigante com cara de miúdo, mais destemido do que a maior parte dos companheiros que estavam com mantas nas pernas, com o blusão ligeiramente aberto quase como que a preparar a entrada em campo ainda antes do apito inicial. Erling Braut Haaland, avançado norueguês que foi o grande destaque da primeira metade da época na Europa e trocou o Red Bull Salzburg pelo B. Dortmund, era o foco das atenções. E ainda se tornou mais.

O dianteiro que é filho de um antigo jogador do Leeds (daí que sonhe um dia ganhar um Campeonato pelo clube inglês hoje no Championship treinado por Marcelo Bielsa) foi cobiçado por grandes clubes como Manchester United ou Juventus mas preferiu a Bundesliga depois de ter sido convidado para conhecer as infraestruturas do B. Dortmund e o projeto que a equipa tem para si. Para alguns ainda foi uma contratação arriscada apesar de ter feito na Áustria mais golos do que jogos em todas as competições nos primeiros seis meses da época, entre Liga dos Campeões (oito em seis), Campeonato (16 em 14) e Taça (quatro em dois). Hoje era o dia de estreia Lucien Favre. Hoje tornou-se um dia que não mais esquecerá por ter marcado três golos em 23 minutos.

Após ter saído a ganhar ao intervalo pela margem mínima com um golo de Florian Niederlechner, o Augsburgo chegou ao 2-0 logo no arranque do segundo tempo por Marco Richter (46′) antes de Brandt reduzir e recolocar o B. Dortmund dentro do jogo. No entanto, e um pouco contra a tendência nessa fase, Niederlechner bisou e voltou a colocar a diferença nos dois golos (55′). Favre arriscou, tirou o lateral Piszczek e lançou Haaland.

O gigante norueguês de 1,94 metros que é tudo menos lento (e provou-o mais uma vez) e revela muito à vontade com a pressão apesar de ter apenas 19 anos demorou apenas três minutos para deixar a primeira marca, sendo lançado numa diagonal na área antes do remate rasteiro cruzado de pé esquerdo que fez o 3-2 (59′). E o empate não demorou muito mais, com Mats Hummels a lançar em profundidade o outro wonder kid do B. Dortmund, Jadon Sancho, que recebeu de forma orientada para ficar logo enquadrado com a baliza e fazer o empate (61′).

O jogo estava de loucos, com um ritmo elevado e as duas equipas a arriscarem muito em termos posicionais para passarem para a frente, quando Thorgan Hazard teve uma jogada como o irmão Eden do Real Madrid após mais um lançamento nas costas da defesa do Augsburgo e ofereceu de bandeja o bis ao norueguês, que só teve de encostar para carimbar a reviravolta do B. Dortmund (70′) antes do 5-3 apontado nove minutos depois que sentenciou as contas finais de um jogo eletrizante e que deu a Haaland um hat-trick… em 23 minutos, mais um número que nem Ronaldo, nem Messi nem o ídolo Ibrahimovic conseguiram no arranque da carreira.