A China anunciou esta sexta-feira o encerramento do Shanghai Disney Resort, de partes da Grande Muralha e de monumentos emblemáticos em Pequim, devido à ameaça de propagação do coronavírus, que nos últimos dias fez 26 mortos.

O parque temático de Shanghai anunciou, através de um comunicado divulgado na página oficial, o “encerramento temporário” das instalações a partir de sábado. A direção do parque afirma que esta é uma medida de “prevenção e controlo da doença”, para “garantir a saúde e segurança” de “clientes e funcionários”. Garante ainda que o Shanghai Disney Resort vai permanecer em contacto com o governo local e que a reabertura será anunciada mediante confirmação.

O parque temático, informa o comunicado, vai proceder ao reembolso dos bilhetes através do “canal oficial de venda de bilhetes” e que os procedimentos de reembolso serão detalhados no site oficial “o mais breve possível”.

Algumas partes da Grande Muralha da China, local simbólico da China e Património Mundial da UNESCO, serão também encerradas ao público. Por esta altura, a propósito do Ano Novo Chinês, o monumento atrai inúmeros visitantes.

Monumentos como os túmulos imperiais da dinastia Ming e a floresta de pagodes vão encerrar no sábado. Também o Estádio Nacional de Pequim vai permanecer encerrado até 30 de janeiro. De acordo com um comunicado oficial das autoridades chinesas, o troço da muralha em Juyingguan foi fechado e em parte da muralha em Simatai os turistas (cerca de 10 milhões por ano) vão ser sujeitos a testes de temperatura.

Também o Cirque du Soleil anunciou o encerramento de um espetáculo, a pedido das autoridades.

O número de infetados pelo coronavírus subiu para 830 — mais 180 que o número avançado anteriormente. Este número pode aumentar nos próximos dias porque milhares de pessoas estão a viajar dentro da China no âmbito das celebrações do Ano Novo que inaugura o calendário lunar.