O governo francês está a ponderar aumentar as medidas de restrição aplicadas em pelo menos duas regiões francesas, Grande-Leste e Ile-de-France, após dezenas de pessoas terem ignorado os pedidos feitos pelas autoridades de saúde, ao aproveitar o bom tempo deste domingo com deslocações a parques e jardins, tal como noticiou o Le Journal du Dimanche. Na rede social Twitter, as provas multiplicam-se.

Apesar de no último sábado, 14 de março, o Governo francês ter ordenado o encerramento de todos os estabelecimentos “não essenciais” — incluindo bares, cinemas, restaurantes, centros comerciais, bibliotecas, salas de espetáculos, museus e até estabelecimentos desportivos — foram muitos os parisienses que no domingo saíram à rua para passear em parques, jardins e até nas margens do rio Sena.

O que os países estão a fazer ou prometem fazer para travar o rasto do Covid 19 na economia

Situação idêntica regista-se no Reino Unido, depois de a banda britânica Stereophonics ter avançado com os respetivos concertos previamente agendados apesar da preocupação dos fãs. A banda de rock alternativo deu um concerto no sábado à noite em Cardiff para uma grande audiência — a performance faz parte da tour para 2020 — e está agora a ser apelidada de “irresponsável” por ter avançado com o espetáculo numa altura em que grandes eventos estão a ser cancelados numa tentativa de combater a propagação da Covid-19. No Reino Unido já se registam quase 1.400 casos de infeção e 35 mortes.

Na rede social Twitter, onde a banda partilhou um vídeo do último concerto, os comentários estão em lados opostos da barricada: enquanto alguns internautas agradecem o facto de o concerto ter acontecido, de maneira a “esquecer” a pandemia decretada, outros condenam a banda por ter posto em risco a saúde dos fãs e apelidam a decisão de “egoísmo”. A banda está a meio da tour, com concertos previstos para acontecer em Londres, na Suíça, nos Países Baixos e na Irlanda, os quais, de acordo com a página oficial, ainda se mantêm agendados.

Piers Morgan, jornalista britânico, foi uma das figuras públicas que condenou a atuação da banda Stereophonics e também o concerto do cantor e compositor escocês Lewis Capaldi.