O Bundesbank prevê “uma recessão pronunciada” na Alemanha devido à paralisação económica resultante da pandemia do novo coronavírus, foi esta segunda-feira anunciado.

No boletim de março esta segunda-feira divulgado, o Bundesbank afirma que as medidas para parar a propagação do novo vírus e não sobrecarregar o sistema sanitário “têm grandes efeitos económicos”.

A Alemanha enfrenta desafios até agora desconhecidos devido à pandemia do novo coronavírus, sobretudo para o sistema sanitário”, segundo o Bundesbank. “A queda numa recessão significativa é inevitável” e a recuperação económica ocorrerá quando se tiver reduzido de forma efetiva o ritmo de contágio da pandemia, adianta.

Por isto, a evolução conjuntural do mercado laboral está carregada de muita incerteza, defende o banco central alemão. “Os efeitos da pandemia vão prejudicar, previsivelmente, a produtividade económica, no mínimo, na primeira metade do ano”, consideram oa economistas do Bundesbank.

Os setores mais afetados são os orientados para o consumo e serviços, que são os que impulsionaram a economia desde que começou a desacelerar o setor da indústria transformadora na Alemanha, como por exemplo os da gastronomia, do lazer, das feiras empresariais e das transportadoras aéreas. O Bundesbank também prevê que a procura de exportações alemãs caia significativamente nos países atingidos pela pandemia.

Muitas empresas já interromperam a produção nesses países e, por isso, vão ocorrer estrangulamentos no fornecimento de alguns produtos.

O Bundesbank recorda que o governo alemão aprovou um orçamento adicional no valor de 156.000 milhões de euros para estimular a conjuntura em caso de se prolongar a contração e considera que as finanças estatais alemãs estão numa boa situação.