A diretora clínica do Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada, esclareceu este domingo que os contágios no Lar de Idosos do Nordeste não se deveram “a qualquer falha ou falta dos procedimentos” daquela unidade hospitalar.

Em comunicado, Maria Emília Santos garante que “a situação que se vive no Lar de Idosos da Santa Casa da Misericórdia do Nordeste não se deve, nem deveu, a qualquer falha ou falta dos procedimentos do HDES [ Hospital do Divino Espírito Santo] que estavam à altura do acontecimento implementados”.

O Lar de Idosos da Santa Casa da Misericórdia do Nordeste regista já 20 casos de covid-19, um contágio que teve origem numa utente que contraiu o vírus depois de um internamento no hospital de Ponta Delgada.

Das seis mortes registadas na região, quatro são de utentes desta instituição.

A diretora clínica do HDES adianta que, em 18 de março, dia em que a primeira utente do lar a contrair covid-19 foi admitida no hospital, “na sequência de uma patologia não relacionada com o foro respiratório, (…) apenas existiam dois casos confirmados de Covid-19: um na ilha Terceira e outro na ilha de São Jorge”.

A paciente foi submetida a “colheitas e análises para despiste de bactérias multirresistentes”, que “tiveram resultado negativo”, antes de regressar ao lar de idosos, no dia 27 de março.

“Nesse dia, estavam confirmados 24 casos positivos de covid-19 nos Açores, distribuídos pelas ilhas de Terceira, São Jorge, Pico, Faial e S. Miguel. Em nenhum desses casos, o HDES era considerado como local de contágio”, prossegue.

Dos casos registados em São Miguel “dois eram profissionais de saúde do HDES”, mas “o foco de contágio desses dois profissionais foi identificado como sendo uma viagem ao exterior da Região, mais concretamente a realização de um cruzeiro no Dubai”.

A diretora clínica lembra, ainda, que, “desde o momento em que chegaram à região, esses dois profissionais estiveram em quarentena e não tiveram qualquer contacto físico com o hospital”, acrescentando que só “no dia 29 de março é confirmado o primeiro caso positivo de covid-19 relativamente ao qual o HDES é identificado como possível local da contaminação”.

“Embora compreendendo a preocupação de todos, que é também a nossa, a simples cronologia destes acontecimentos torna evidente que a situação que se vive no Lar de Idosos da Santa Casa do Nordeste não se deve, nem deveu, a qualquer falha ou falta dos procedimentos do HDES que estavam à altura do acontecimento implementados”, concluiu Maria Emília Santos.

Os Açores registam um total de 128 casos, verificando-se 15 recuperados, seis óbitos e 107 casos positivos ativos por infeção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, que causa a doença Covid-19, sendo 80 em São Miguel, cinco na Terceira, cinco na Graciosa, três em São Jorge, nove no Pico e cinco no Faial.

Ainda não há casos registados nas ilhas das Flores, Corvo e Santa Maria.

Sábado foi o dia em que se verificou o maior aumento do número de pessoas infetadas pelo novo coronavírus, com 21 novos casos em São Miguel e um na Terceira.