Mais de 10.000 pessoas já assinaram uma petição online que defende a celebração do 25 de Abril no parlamento e que tem como primeiro subscritor o histórico socialista Manuel Alegre, entre outras figuras de esquerda.

“A democracia não está nem pode ser suspensa. Saudamos a homenagem que o povo e o Parlamento prestam ao 25 de Abril”, refere o texto de lançamento da petição, que pelas 11h18 deste domingo contava com 10.169 assinaturas.

Além de Manuel Alegre, são apresentados como primeiros subscritores da petição Domingos Abrantes, militante do PCP e conselheiro de Estado, os antigos deputados socialistas Alberto Martins e José Vera Jardim, o fundador do BE Fernando Rosas e a eurodeputada deste partido Marisa Matias e a professora catedrática e ensaísta Isabel Alegro de Magalhães.

Esta petição surge dias depois de ter sido lançada uma outra em sentido contrário, pedindo o cancelamento das comemorações do 25 de Abril na Assembleia da República, e que conta já com mais de 80 mil assinaturas.

25 de Abril. Mais de 80.000 pedem cancelamento da sessão solene no parlamento

Em declarações ao jornal Público no sábado à noite, o histórico socialista Manuel Alegre justifica a criação da petição por considerar que “algumas pessoas estão a fazer um aproveitamento político da decisão do parlamento de mau gosto e hipócrita”.

“No fundo não querem que se celebre o 25 de Abril”, referiu.

No sábado, também em declarações ao jornal Público, o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, assegurou que, “mais do que em qualquer outro momento, o 25 de Abril tem de ser e vai ser celebrado” no parlamento. “Celebrar o 25 de Abril é dizer que não sairá desta crise qualquer alternativa antidemocrática”, afirmou a segunda figura do Estado.

No sábado, o líder do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, anunciou que não irá à sessão solene do 25 de Abril no parlamento por a considerar “um péssimo exemplo para os portugueses”, devido às restrições impostas à população pela pandemia de covid-19.

Também no sábado o deputado único do Chega, André Ventura, escreveu ao presidente do parlamento, pedindo a Ferro Rodrigues que, em articulação com o Presidente da República, cancele a sessão solene comemorativa do 25 de Abril, dizendo que esta “está a gerar um enorme sentimento de revolta e indignação no povo português”.

Já a líder parlamentar do PS, Ana Catarina Mendes, em declarações à Lusa, defendeu a importância reforçada de assinalar o 25 de Abril no parlamento em período de emergência, considerando que as críticas feitas têm uma motivação “ideológica” e não de defesa da saúde pública.

Apesar destas acusações, as opiniões contra ou a favor da celebração do 25 de Abril na Assembleia da República não são um exclusivo direita versus esquerda. Também este sábado à noite, no Facebook, João Soares partilhou um texto onde considerava “um disparate” a comemoração nos moldes tradicionais. “E previno já não admito que me chamem facho, ou que insinuem que não estou com o 25 de Abril por exprimir esta minha opinião”, avisou logo no início.

“Estive a 25 de Abril de 1974 no Largo do Carmo. Conheci lá Salgueiro Maia. Sou um indefetível da nossa Revolução. Até já tive a honra e o prazer de falar, por duas vezes, em cerimónias do 25 de Abril na AR. Pelo PS, claro. De que também sou um indefetível. Faço um apelo porque ainda há tempo. Revejam a decisão infeliz que tomaram”, apelou.

Com todo o respeito por quem tem opinião contraria acho um disparate persistir na ideia da sessão comemorativa do 25 de…

Posted by João Soares on Saturday, April 18, 2020

Devido às restrições impostas pela pandemia, a Assembleia da República decidiu na quarta-feira realizar a sessão solene do 25 de Abril no parlamento com um terço dos deputados (77 dos 230 parlamentares) e menos convidados, com o gabinete de Ferro Rodrigues a estimar que estejam presentes cerca de 130 pessoas, contra as 700 do ano passado.

A decisão da conferência de líderes teve o apoio da maioria dos partidos: PS, PSD, BE, PCP e Verdes. O PAN defendeu o recurso à videoconferência, a Iniciativa Liberal apenas um deputado por partido, enquanto o CDS-PP – que propôs uma mensagem do Presidente da República ao país – e o Chega foram contra.

Na sexta-feira, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, reafirmou que irá participar na sessão comemorativa do 25 de Abril no parlamento, “com um número exíguo de deputados”, e do 10 de Junho, numa “cerimónia simbólica” junto ao Mosteiro dos Jerónimos.

“O Presidente da República participará nas cerimónias do 25 de Abril e do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, tal como já tem referido publicamente. No 25 de Abril, nos termos definidos pela Assembleia da República, aliás com um número exíguo de deputados e meramente simbólico de convidados”, salientou o chefe de Estado, numa nota publicada no portal da Presidência da República na Internet.