O presidente do Conselho de Administração da RTP anunciou esta terça-feira que pretende investir cinco milhões de euros para capacidade produtiva do Centro de Produção Norte da RTP, no Monte da Virgem, em Vila Nova de Gaia (Porto).

“Temos um programa para o CPN [Centro de Produção do Norte], de cinco milhões de euros de investimento, dos quais já realizámos um milhão e meio nos últimos 18 meses, recuperando um equipamento de analógico para digital, um carro satélite, novas régies, com novas mesas de mistura, com a continuidade da RTP3 que é feita no Norte a migrar para HD, com investimentos muito significativos em câmaras, em régies e equipamento de edição”, declarou o presidente do Conselho de Administração da RTP, Gonçalo Reis, durante uma audição da Comissão de Cultura e Comunicação no parlamento, sobre os planos urbanísticos projetados para os terrenos do CPN.

Questionado pelo deputado Jorge Costa, do Bloco de Esquerda, para que fossem esclarecidos os contornos do projeto da RTP para o futuro dos terrenos da empresa pública no Monte da Virgem que terão sido entregues na Câmara de Gaia e ainda esclarecimentos sobre a “expansão do CPN”, Gonçalo Reis reiterou que há um “plano de investimento e de aumento de capacidade produtiva.

Esse é o nosso plano da RTP. Nós vamos ter melhores estúdios, mais atualizados, com mais capacidade“, declarou.

O deputado bloquista questionou ainda o responsável sobre a alegada intenção da RTP de querer alienar “dois terços dos terrenos no Monte da Virgem”, mas Gonçalo Reis negou que sejam dois terços de terrenos para alienar, observando que não deu entrada qualquer projeto de requalificação na Câmara de Vila Nova de Gaia.

“Não deu nenhuma entrada na Câmara Municipal de Gaia de nenhum projeto de requalificação. Nós estamos a trabalhar com a Câmara Municipal em projetos possíveis de aumento, porque se nós vamos construir novos estúdios, isso tem de ser falado com a câmara. Se nós vamos melhorar os espaços comuns, isso tem de ser falado com a câmara”, declarou, assumindo que “não corresponde à verdade”.

“O senhor deputado falou na alienação de dois terços de do terreno. Não corresponde à verdade. O senhor deputado falou na demolição de equipamentos centrais, nós vamos ter um estúdio muito melhor, porque o famoso estúdio C é um estúdio com décadas, com patologias graves, é um estúdio sem capacidades em termos de acessibilidades — e não é aceitável que uma empresa como a RTP em 2020 tenha equipamentos e estúdios que não são adequados às pessoas com necessidades especiais —, portanto o nosso projeto é um projeto de investimento”, referiu.

Segundo Gonçalo Reis, a atual administração da RTP tem dado “todos os passos” para aumentar o peso e a contribuição positiva do Centro de Produção do Norte.

“Foi a minha primeira administração que corrigiu a política errada da anterior administração de desertificação do Norte, quando passou o programa icónico Praça da Alegria para o Sul (…). Corrigimos isso tudo. Voltámos a fazer a Praça da Alegria a partir de outubro de 2015 no Norte e voltamos a fazer internamente”, recordou na audição parlamentar.

Durante a audição, que durou mais de duas horas, Gonçalo Reis pediu a Hugo Figueiredo, da sua equipa na RTP, para apresentar o projeto de aumento de capacidade para o CPN, designadamente nas “áreas sobrantes” e “terrenos em eucaliptal”, e “em declive e que não são aproveitadas há décadas”, sublinhando que o plano está “incluído no Plano de Atividades” e que é para submeter ao acionista Estado que é quem tem “sempre a última palavra”.