O CDS-PP de Ovar anunciou esta segunda-feira que não participará nas cerimónias locais de sábado com o Presidente da República por as considerar “folclore político” que não beneficia o município que esteve sob cerco sanitário devido à Covid-19.

Em comunicado enviado à Lusa, o presidente dessa estrutura partidária do distrito de Aveiro diz que é preciso “dar um ‘grito’ de protesto” face a iniciativas que não se revestem de apoios efetivos ao tecido económico e social do concelho após a paragem a que o território esteve obrigado devido à quarentena geográfica para contenção do vírus SARS-CoV-2.

Ovar já deveria ter tido medidas de apoio especiais à economia por parte do Estado, mas temos um Governo que ignora as nossas circunstâncias, que foram diferentes do resto do país, e temos um presidente da Câmara que acolhe esses mesmos governantes porque se fascina com o mediatismo que isso lhe dá, esquecendo-se, porém, que o município sai penalizado com tanta associação à pandemia na comunicação social”, afirma o presidente da concelhia do CDS-PP, Daniel Malícia.

Nessa perspetiva, o presidente da concelhia do CDS informa: “Fazemos questão de nos demarcar deste folclore político que só beneficia o presidente da Câmara para as suas ambições políticas e de nada serve a Ovar. Nós merecemos respeito; chega de circo e ajudem-nos com medidas concretas que até agora não apareceram”.

O deputado do CDS-PP na Assembleia Municipal de Ovar, Fernando Camelo Almeida, também se recusa a participar nas referidas iniciativas – que estão associadas ao Dia do Município, feriado local assinalado a 25 de julho – por considerar que “vai ser a segunda vez que Marcelo Rebelo de Sousa vem a Ovar e traz uma mão cheia de nada e outra de coisa nenhuma“.

Não necessitamos de tanto show off. Bem sabemos que o presidente da Câmara e o Presidente da República são especialistas nessa matéria, mas um município que esteve em condições excecionais tem que ter medidas de apoio económicas excecionais, e necessitamos de ajuda para evitar que o nosso comércio local morra de vez”, acrescenta o deputado municipal.

Fernando Camelo Almeida também reclama soluções concretas para que as empresas de Ovar “consigam sobreviver, mantendo os postos de trabalho”, e pede igualmente apoios para “as famílias que tiveram perdas de rendimento”.

Para esse deputado, é “um gozo com as pessoas de Ovar todo este folclore político que se tem feito à volta da Covid-19 e que apenas tem contribuído para uma associação do concelho à pandemia e para a promoção pessoal do presidente da Câmara, servindo as suas aspirações políticas”.

Contactado pela Lusa, o presidente da Câmara Municipal de Ovar, Salvador Malheiro, diz que o CDS não devia confundir as funções de Marcelo Rebelo de Sousa com as do Governo.

“Vejo com enorme tristeza essa postura do CDS, considerando que vai ser a primeira vez que Ovar celebra o Dia do Município com um presidente da República em mais de 20 anos”, disse Salvador Malheiro.

Dizendo que as acusações de aproveitamento mediático para fins políticos “não merecem comentário”, o autarca social-democrata nota que Marcelo Rebelo de Sousa vai ser condecorado com a Medalha de Ouro de Mérito Municipal, numa decisão “aprovada por unanimidade em reunião de Câmara”, cujo executivo integra sete elementos do PSD e dois do PS.

Decidimos atribuir-lhe a Medalha de Ouro pela atitude de enorme compreensão e ajuda que demonstrou para com Ovar durante a pandemia e o cerco sanitário, com contactos quase diários com a Câmara e com a população”, justificou Salvador Malheiro.

No próximo sábado, Marcelo Rebelo de Sousa deverá participar ainda numa missa dirigida pelo bispo do Porto em memória de todas as vítimas de Covid-19 no município. O primeiro-ministro, António Costa, também foi convidado para essa iniciativa e para as celebrações do feriado municipal, mas a sua presença não está ainda confirmada.

O município de Ovar esteve sujeito a cerco sanitário de 18 de março a 17 de abril devido à disseminação comunitária da doença, o que implicou o controlo de entradas e saídas nas fronteiras do concelho e a suspensão da maioria da sua atividade empresarial.