Artefactos encontrados na caverna de Chiquihuite, localizada a norte da Cidade do México, sugerem a presença de vida humana no continente americano há cerca de 30 mil anos. As últimas pesquisas apontavam que, pelo contrário, o continente teria sido ocupado há 15 mil anos, após terem sido encontrados vestígios no sítio arqueológico de Monte Verde, no Chile.

O estudo Evidence of human occupation in Mexico around the Last Glacial Maximum, publicado na revista Nature, afirma que entre os artefactos encontrados nas escavações no México havia mais de 1.900 ferramentas de pedra, com datas que iam aproximadamente dos 30 mil aos 13 mil anos atrás.

“Os nossos resultados fornecem novas evidências sobre a antiguidade dos humanos na América”, disse Ciprian Ardelean, um dos arqueólogos responsável pelo estudo, à AFP, citado pelo The Guardian.

No entanto, não foram encontrados restos mortais nem qualquer ADN humano no local. O estudo aponta que o lugar terá sido ocupado em épocas sazonais, durante as migrações.

Um segundo trabalho de investigaç~ão, intitulado The timing and effect of the earliest human arrivals in North America, que analisou 42 lugares da América do Norte, mostra também presença de vida humana durante o último período glacial, quando as camadas de gelo cobriram grande parte no continente, há cerca de 26 mil anos.

“Claramente, pessoas estiveram nas Américas bem antes do desenvolvimento da cultura Clóvis na América do Norte”, afirma Gruhn, professor de Antropologia na Universidade de Alberta, Canadá, em comentários às novas descobertas.

A espécie humana surgiu há cerca de 350 mil anos em África e a espécie com características próximas da do homem moderno, o homo sapiens sapiens, surgiu há aproximadamente 40 mil anos.