Desde finais de março até 30 de junho, os pedidos de adesão a moratórias de crédito abrangeram 841 856 mil contratos, segundo dados revelados pelo Banco de Portugal – no entanto, o regulador ressalva que as instituições bancárias aplicaram as medidas de apoio previstas nas moratórias a 741 623 mil empréstimos, o que significa que mais de 100 mil ainda se encontram em análise ou já foram recusadas.

De acordo com o Banco de Portugal, e até 30 de junho, dos contratos de crédito aos quais foram aplicadas as moratórias, 44% eram contratos de crédito à habitação e outros créditos hipotecários (322 709). Foram ainda aplicadas medidas de apoio a contratos de crédito aos consumidores (196 464) e celebrados mais de 220 mil contratos de crédito com empresas ou empresários em nome individual.

Já a 31 de maio, dos mais de 688 mil contratos abrangidos pelas moratórias, 171.817 diziam respeito a contratos de crédito para aquisição de habitação própria permanente.

Isto significa, como revela o Banco de Portugal, que os contratos de crédito concedido às famílias (consumidores) representam já 70% das operações que beneficiam das moratórias (519 173), sendo as demais operações relativas a empréstimos concedidos a empresas (222 450).