Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há 44 dias num hotel de luxo em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, as despesas de Juan Carlos já ultrapassam os 260 mil euros — só em alojamento — e o rei emérito mal pode esperar por regressar a Espanha.

Segundo jornal El Español, o monarca está alojado, desde o dia 3 de agosto, no terceiro hotel mais caro do mundo, o Emirates Palace, onde já tinha ficado hospedado noutras ocasiões em que esteve em Abu Dhabi. O hotel de luxo, com uma praia privada de cerca de 1,3 quilómetros, 14 restaurantes, heliportos e centro comercial, tem 22 quartos especificamente para receber chefes de Estado e é num deles que está Juan Carlos. O custo por noite? Seis mil euros, pelo que a fatura já chega aos 264 mil euros, tendo em conta que o rei emérito já lá está mais de um mês.

Casa Real confirma que Juan Carlos está em Abu Dhabi desde 3 de agosto

De acordo com o jornal espanhol, que cita fontes próximas da monarca, Juan Carlos pouco mais faz do que estar no seu quarto — com 280 metros quadrados, um terraço com vista para o mar, e com serviço de mordomo 24 horas por dia —ir ao ginásio e falar ao telefone com várias pessoas, desde os amigos à filha mais velha, a infanta Elena, mas sobretudo com o seu advogado.

Por muito luxo que tenhas, se estás sozinho, ficas aborrecido, é deprimente“, conta um amigo próximo, referindo que Juan Carlos foi para Abu Dhabi com uma equipa de três polícia. “Ele está muito sozinho e sem grande coisa para a fazer.

O rei emérito está desejoso de regressar a Espanha e passa o dia a falar com o advogado Javier Sánchez Junco para “ter uma desculpa” regressar ao país. Aliás, aos amigos já disse que quer estar no país em outubro para participar numa regata: “Digo-te já que na Zarzuela [residência dos Reis de Espanha] ninguém tem pressa.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Atualmente, não existe nenhuma acusação formal contra Juan Carlos e continua a decorrer uma investigação sobre suspeitas de delito de corrupção do rei emérito na construção do comboio de alta velocidade entre Medina e Meca, na Arábia Saudita, no Supremo Tribunal espanhol — que deveria ter tomado uma decisão em agosto.

Justiça espanhola decide investigar suspeitas contra Juan Carlos