O vencedor do Booker Prize 2020, que devia ser conhecido a 17 de novembro, vai afinal ser revelado a 19 de novembro para não coincidir com a publicação das memórias do ex-Presidente norte-americano Barack Obama, anunciou a diretora literária da fundação que atribui o prémio.

“Achámos que era infeliz que dois dos mais entusiasmantes eventos literários deste ano — o anúncio do vencedor do Booker Prize 2020 e a publicação das memórias de Barack Obama — calhassem no mesmo dia, então decidimos dar aos leitores dois dias de intervalo”, disse Gaby Wood, citada pela The Bookseller.

A cerimónia da entrega do prémio de ficção em língua inglesa estava agendada para 17 de novembro, o dia em que chega às livrarias Uma Terra Prometia. Será também nesse dia que o livro será publicado em Portugal, pela editora Objetiva.

Primeiro volume das memórias políticas de Obama publicado a 17 de novembro, duas semanas após eleições nos EUA

O anúncio do vencedor costuma ser feito durante um evento organizado no Guildhal, em Londres, com a presença de todos os nomeados mas, devido às restrições atuais, este ano acontecerá digitalmente a partir da Roudhouse, também na capital inglesa. “Detalhes sobre como assistir e participar serão anunciados em breve”, afirmou Gaby Wood.

A edição deste ano dos prémios Booker ter sido marcada por vários adiamentos, sobretudo consequência da pandemia de Covid-19. Depois de a shortlist do galardão de tradução, o International Booker Prize, ter sido anunciada durante o confinamento, a organização decidiu mudar a data do anúncio do vencedor, de maio para final de agosto. Também o anúncio do vencedor do Booker Prize, que geralmente acontece no mês de outubro, foi adiado para novembro, sofrendo agora um segundo adiamento devido às memórias de Obama.

Booker Prize. “Shortlist” inesperada deixa de fora Hilary Mantel

A lista dos seis finalistas do Booker foi anunciada a 15 de setembro e é composta pelos seguintes romances:

  1. The New Wilderness, Diane Cook (EUA). Oneworld Publications;
  2. This Mournable Body, Tsitsi Dangarembga (Zimbabué). Faber & Faber;
  3. Burnt Sugar, Avni Doshi (EUA). Hamish Hamilton, Penguin Random House;
  4. The Shadow King, Maaza Mengiste (Etiópia/EUA). Canongate Books;
  5. Shuggie Bain, Douglas Stuart (Escócia/EUA). Picador, Pan Macmillan;
  6. Real Life, Brandon Taylor (EUA). Originals, Daunt Books Publishing.

No ano passado, o prémio foi atribuído pela primeira vez a duas obras, a Rapariga, Mulher, Outra, da anglo-nigeriana Bernardine Evaristo, e a Os Testamentos, da canadiana Margaret Atwood.