O Conselho de Veteranos anunciou hoje que foi determinada a suspensão da praxe por cinco dias na Universidade de Coimbra, para garantir que “a euforia social” criada pelo regresso da vida académica “sossegue”.

Num “decreto” publicado esta terça-feira na rede social Facebook e aprovado na segunda-feira, o Conselho de Veteranos da Universidade de Coimbra esclareceu que a suspensão temporária da praxe não se deve a qualquer situação de incumprimento, antes a uma “extrema vontade em socializar” por parte dos estudantes não relacionada com a atividade praxística.

~???????????????????????????????? ????????????/????????????????~Decretus III de 2020Ponto 1 – O Conselho de Veteranos aprovou, ???????????????????? ???????????? ????????????????????, a atribuição do…

Posted by Conselho de Veteranos da Universidade de Coimbra on Tuesday, October 13, 2020

Esta entidade que regula a praxe na Universidade de Coimbra explica que foi identificado “um fenómeno de grande ‘euforia social’ por parte dos estudantes, que levou a ajuntamentos nas ruas e praças da cidade e junto da Porta Férrea [próximo da Faculdade de Direito]”, sem que isso tenha sido no âmbito da praxe.

Ainda assim, o Conselho de Veteranos decidiu avançar com a suspensão temporária da praxe “para dar tempo para que a euforia social gerada pelo retorno à vida académica diminua e sossegue”.

Queremos que esta euforia [do regresso à universidade] passe, para que as pessoas possam calmamente fazer a praxe”, disse à agência Lusa o dux (líder do organismo), Matias Correia.

Segundo o dux, a suspensão estará em vigor até sábado, referindo que, caso haja violação da suspensão da praxe, poderão ser aplicados processos disciplinares, que poderão ir até à “excomunhão do exercício da praxe”, proibindo, por exemplo, um curso de participar nas várias cerimónias, nomeadamente no cortejo da Queima das Fitas.

Na nota publicada no Facebook, o Conselho de Veteranos salientou que “o crescente número de casos [de Covid-19] dos últimos dias” preocupa a entidade, que continuará a fazer uma avaliação semanal do estado da pandemia e “a atuar conformemente junto dos cursos onde sejam identificados eventuais surtos”.

No documento, os Veteranos salientam ainda que “consideram que os estudantes, na sua maioria, adaptaram visivelmente o seu comportamento e hábitos de praxe, em cumprimento com as normas”.

No final de setembro, o Conselho de Veteranos confirmou que a praxe ia decorrer, mas que passaria a ter novas regras, em contraciclo com as decisões tidas noutras universidades do país.