O grupo Impresa considera que a disponibilização de novos canais da RTP na TDT são uma “medida equilibrada” e espera que a RTP África e o canal do Conhecimento “não tenham publicidade comercial”.

O secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media, Nuno Artur Silva, anunciou na segunda-feira que o Governo decidiu seguir a decisão do parlamento que propõe a inclusão de dois canais públicos na televisão digital terrestre (TDT), a RTP África e o canal do Conhecimento.

Questionada pela Lusa sobre o tema, e apesar de ainda não ter tido acesso a informação mais detalhada sobre a solução anunciada pelo Governo, fonte oficial da dona da SIC disse que a decisão “afigura-se uma medida equilibrada, tendo em conta que competirá principalmente ao Estado, através da disponibilização gratuita de serviços de programas e da diferenciação da sua programação, atingir determinados segmentos da sociedade”.

A Impresa conta que “a entrada de dois novos canais na TDT leve a que sejam automaticamente reduzidos os custos atualmente incorridos pelos restantes canais, relativamente à ocupação dos respetivos espectros, incluindo a SIC”, acrescentou a mesma fonte.

Contamos ainda que os canais em causa não tenham publicidade comercial, nem que recorram a chamadas de valor acrescentado como forma de financiamento”, salientou.

Na terça-feira, o presidente do Conselho de Administração da RTP, Gonçalo Reis, disse à Lusa que a entrada da RTP África, canal que já existe, e o do Conhecimento, que vai ser criado, “são desafios novos e estimulantes do ponto de vista conceptual” para a empresa.