O bar de cocktails de autor Red Frog, em Lisboa, vai fechar portas para reabrir, algures na primavera de 2021, noutra localização. A notícia foi confirmada ao Observador por um dos sócios do espaço, Emanuel Minez, que ressalva que este não é o fim do já célebre espaço que até agora morava na Rua do Salitre, junto à Avenida da Liberdade, e que é até hoje o único bar português a entrar na famosa lista dos The World’s 50 Best Bars.

“Saímos da rua do Salitre porque não houve renovação do contrato com o senhorio, ele não se mostrou disponível para isso”, explica o Minez. O prédio onde o espaço se inseria “vai para obras” e, segundo o mesmo, “vai ser transformado ou numa unidade hoteleira ou em apartamentos de luxo”, algo que  “já adivinhávamos que eventualmente pudesse vir a acontecer”, refere. Emanuel explica que pensaram em acabar com a marca mas depois acabaram por arrepiar caminho: “A dimensão que já tínhamos e o trabalho que ele já nos estava a dar não permitia que simplesmente acabássemos com o Red Frog.”

A mudança, explica, não será apenas de morada. A segunda vida do Red Frog (“o novo espaço será na zona da Praça da Alegria”) passará por um assumir total do conceito de “speakeasy”, nome dado aos bares secretos que proliferavam pelas grandes cidades dos EUA no tempo da Lei Seca. “A solução para esta nova vida vai passar por um speakeasy à séria, uma coisa muito mais pequena, de 20 a 30 lugares, e muito mais exclusiva. Vamos querer implementar pormenores como só conseguires aceder ao espaço se souberes uma password específica, por exemplo”, explica. “Este período que estamos a viver quase que nos remete um pouco para os tempos da Lei Seca, daí o conceito de um speakeasy a sério ser algo que procuramos.”

A oferta de bebidas deste Red Frog “2.0” passará, pelo menos no início, por uma espécie de revisitar dos cocktails mais populares deste bar: “Estamos a pensar implementar um best of de cocktails do Red Frog, de todos os que já vendemos lá — o Spicy Lucky Cherry, o American Gangster, talvez aqueles mesmo alguns do início como o Red Potion… Coisas deste género mas com alguma componente de reinterpretação.”

A data de reabertura é apontada por Emanuel Minez (que continuará a manter como sócio o barman Paulo Gomes) para a altura da primavera, já este ano. “Talvez meados de março”, mais especificamente.