O princípio é fácil de assimilar: aprender a cuidar melhor das plantas que temos em casa e assim cuidarmos melhor também de nós próprios. Deixando o esoterismo de parte, o mandamento assenta em pressupostos puramente científicos — o poder apaziguador de tomar conta de um ser vivo aliado ao facto de algumas espécies serem verdadeiros filtros de purificação de ar convencem cada vez mais citadinos a aderir a uma tendência que se arrasta há anos e que foi amplificada pela pandemia.

Do princípio nasceu uma ideia de negócio, pelas mãos de uma jovem empreendedora. “Desde pequenina que sou apaixonada por plantas e animais”, revela Sofia Eiras Antunes que, juntamente com uma sócia com formação em psicologia, lançou a Curae, no início de dezembro. Muito mais do que um valor decorativo, as plantas surgem como se de terapeutas se tratassem. Segundo Sofia, ao cuidar delas, a natureza interior humana tem a oportunidade de estabelecer uma relação com a natureza que a rodeia.

Um postal, um guia de cuidados, um exercício de bem-estar e uma placa de identificação – cada planta Curae vem acompanhada da devida documentação © Divulgação

Na prática, a missão é tornar as casas portuguesas mais verdes, com tudo o que isso acarreta. Mas primeiro, é preciso conseguir mantê-las vivas. “Queremos chegar precisamente àquelas pessoas que acham que são plant killers. De facto, quem não tem assim tanta experiência gosta de ter este apoio”, informa Sofia. O apoio de que fala é a informação que acompanha cada uma das 12 plantas que compõem o catálogo da Curae. Das regas às dicas necessárias para, a longo prazo, proceder à mudança de vaso, o guia para melhor cuidar do espécime seu espécime botânico não deixa escapar nada.

Tendência ou afeto: por que é que voltámos a adorar ter plantas em casa?

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Instruções à parte, interessa saber quais os benefícios de cada uma. Calma, alegria e ambiente acolhedor são alguns dos efeitos defendidos pela jovem empresária, ela própria uma cuidadora incansável. Tem mais de 60 plantas em casa, número que era cerca de metade antes da pandemia. Talvez tenha sido por isso que Sofia pensou imediatamente numa placa de identificação. Sim, os clientes da Curae podem batizar as suas damas de companhia e quem sabe experimentar alguns exercícios de meditação, também eles incluídos no pacote.

Sofia já proporciona uma “caring experience“, mas espera explorar novas vertentes do projeto assim que a pandemia der tréguas. Ter um espaço físico faz parte do plano. Os animais de estimação serão bem-vindos e o objetivo é abranger outras ferramentas de desenvolvimento interior. Além da psicologia, a programação neurolinguística é outra das competências que já fazem parte da casa.

A plataforma comercializa atualmente 12 espécies de plantas © Divulgação

Antes disso, o serviço de subscrição é outra das metas, oferecendo a possibilidade de receber em casa entre uma e três plantas por mês. O bem-estar humano continua a ser a prioridade do projeto e por isso, em breve, vão juntar-se novos complementos a todos as encomendas — velas especialmente desenhadas para a Curae e sais para banhos relaxantes são só dois exemplos.

O rol de plantas também poderá crescer, apesar de todos os constrangimentos no fornecimento ditados pela pandemia. Sofia garante, no entanto, que elas valem o esforço. Afinal, são encaradas como uma espécie de antídoto para muitos dos males desencadeados pelo confinamento. Como resume: “Quanto mais planos, melhor a vida vai ficar”.

Guia para cuidar de plantas em casa (e as 10 mais simples de manter)

Nome: Curae
Data: 2020
Ponto de venda: loja online
Preços: 15,99 euros

100% português é uma rubrica dedicada a marcas nacionais que achamos que tem de conhecer.