Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Sodim, sociedade controlada pela família Queiroz Pereira, lançou uma oferta pública de aquisição (OPA) sobre a Semapa que também controla a empresa de pasta e papel Navigator e a cimenteira Secil.

A Sodim oferece 11,40 euros por ação a pagar em dinheiro, o que segundo comunicado, corresponde a um prémio de 20% em relação à última cotação de fecho esta quinta-feira e de 37,2% em relação ao preço médio ponderado das ações nos seis meses anteriores à data de publicação do anúncio preliminar da operação. A holding já controla 71,9% do capital e 73,167% dos direitos de voto da Semapa.

A oferta incide sobre 22.831.666 ações da Semapa. Ao preço a que foi lançada, a OPA poderá implicar um esforço financeiro de até 260 milhões de euros, caso sejam adquiridas todas as ações.

Como condição de sucesso da OPA, a Sodim estabelece a obtenção de 90% dos direitos de voto na Semapa e indica que tenciona promover a saída da bolsa da sociedade que faz parte do índice PSI 20 que integra as maiores empresas cotadas na Bolsa de Lisboa. A Sodim informa que, independentemente dos resultados da OPA, pretende “dar continuidade à atividade empresarial da Semapa e das sociedades por ela controladas em moldes similares aos que têm vindo a ser por estas desenvolvidos.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Millennium BCP e o Caixa BI são assessores financeiros e intermediários financeiros encarregados da assistência à Oferta, a JP Morgan é a assessora financeira e a Linklaters é a assessora jurídica da Sodim. Também o Santander colaborou na preparação da operação.

A Semapa foi alvo de uma guerra pelo controlo que envolveu o Grupo Espírito Santo, com Ricardo Salgado a apoiar a irmã de Pedro Queiroz Pereira. O conflito deu origem a denúncias por parte do empresário ao Banco de Portugal sobre os problemas financeiros da grupo não financeiro controlado por Ricardo Salgado.

Já em 2015, Pedro Queiroz Pereira tinha tentado retirar a Semapa da bolsa através de uma oferta de troca com da Portucel, hoje Navigator. Pedro Queiroz Pereira morreu em 2018, deixando às filhas um dos maiores grupos industriais portugueses.