Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A canábis medicinal está quase a chegar às farmácias. Dois anos volvidos desde a lei que passou a permitir a venda deste tipo de produto em estabelecimentos farmacêuticos, o início da comercialização da primeira modalidade aprovada pelo Infarmed — um produto desenvolvido pela empresa canadiana Tilray — está apontado para abril, escreve o Jornal de Notícias esta quinta-feira.

Há cerca de um mês, a Agência Lusa tinha noticiado a aprovação pelo Infarmed da “primeira substância à base da planta da canábis para fins medicinais em Portugal”, citando um anúncio da Tilray. A empresa, que tem uma fábrica de produção em Portugal, deu conta da novidade através da diretora geral da sua divisão portuguesa, Rita Barata, que afirmara: “Esta é a primeira e única preparação ou substância à base da planta da canábis para fins medicinais permitida no nosso país e estamos a planear num futuro próximo tornar outros produtos acessíveis aos doentes em Portugal”.

Agora, o Jornal de Notícias avança que o início da comercialização do produto está apontado para abril. E dá conta de alguns detalhes da substância aprovada pelo Infarmed: diz tratar-se de “flor seca com THC”, que poderá ser consumida por doentes através de um método de vaporização. Será vendida em sacos de 15 gramas e custará cerca de 150 euros, diz ainda o JN, noticiando que o preço foi devidamente aprovado.

[O Observador visitou, em 2019, a fábrica de produção da Tilray em Portugal:]

Dentro da primeira fábrica de canábis medicinal em Portugal

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O produto terá na sua composição 18% de delta-9-tetrahidrocanabinol (THC) e menos de 1% de canabidiol (CBD), avançou ainda o Observatório Português de Canábis Medicinal (OPCM) ao JN. E poderá ser comprado, como já escrevera a Lusa, por pacientes com dor crónica (associada a doenças oncológicas ou ao sistema nervoso), espasticidade associada à esclerose múltipla ou a lesões da espinal medula, náuseas e vómitos (resultantes da quimioterapia, radioterapia e terapia combinada de HIV e medicação para a hepatite C) e estimulação do apetite nos cuidados paliativos de doentes sujeitos a tratamentos oncológicos ou com SIDA.

Este é o primeiro produto de canábis medicinal autorizado pelo Infarmed. Ao todo, já chegaram à Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde três pedidos de autorização para comercialização de produtos de canábis medicinal em farmácias portuguesas, mas até agora só o da Tilray foi aprovado.

Fact check. Canábis para fins medicinais: o que dizem os partidos é o que diz a ciência?