Internado desde meados de fevereiro, o duque de Edimburgo deixou esta terça-feira de manhã o Hospital King Edward VII. Esta foi, esclarece a Sky News, a estadia mais longa de sempre para Philip, que a 10 de junho completa 100 anos de vida.

Antes de o marido da rainha poder regressar a casa, a polícia bloqueou o acesso de veículos ao hospital privado, no centro de Londres, onde o duque estava a recuperar após um procedimento cardíaco.

Príncipe Philip internado “por precaução”

O duque foi internado “por precaução” a 16 de fevereiro neste hospital e, duas semanas depois, transferido para o Hospital de St Bartholomew, onde foi submetido a um procedimento para uma doença cardíaca pré-existente. Posteriormente, regressou ao King Edward VII de onde teve alta hospitalar esta terça-feira, sendo fotografado à saída no interior de um BMW preto.

Durante a estadia de 28 dias, o duque recebeu uma visita de Carlos, príncipe de Gales. Durante este período, Isabel II esteve sempre em Windor — tanto a rainha como o marido foram vacinados contra a Covid-19 em janeiro deste ano, tendo o Palácio de Buckingham esclarecido que a indisposição que levou Philip ao hospital não estava relacionada com a Covid-19.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Um porta-voz da família real esclareceu, entretanto, que o duque de Edimburgo recebeu alta após o “tratamento de uma infeção e de um procedimento bem-sucedido para uma condição pré-existente”, e que agradece a toda a equipa médica que cuidou dele em ambas as unidades hospitalares.

Príncipe Philip transferido para outro hospital. Ficará internado “pelo menos” até final da semana

Entre as complicações de saúde do príncipe Philip contam-se uma artéria bloqueada em 2011 e uma infeção urinária no ano seguinte. Entre 2013 e 2014, foi submetido a duas intervenções cirúrgicas — ao abdómen e à mão direita. Já em dezembro de 2019, o duque havia sido internado a conselho do seu médico privado. Na altura, regressou a casa a tempo de passar o Natal em família.