Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há 43 novas startups no portefólio da Portugal Ventures (PV) que totalizam 6,6 milhões de euros em investimento, anunciou a operadora pública de capital de risco em comunicado esta quinta-feira. A PV soma agora 138 empresas: 49 em engenharia e indústria, 43 no segmento digital, 26 no setor do turismo e 20 na área de ciências da vida.

Rui Ferreira, Vice-Presidente da Portugal Ventures, sublinha a importância da operação que diz refletir “o esforço de investimento feito em 2020” (ano em que a PV totalizou 17,7 milhões de euros em investimentos), com vista a apoiar, “num contexto adverso de pandemia, empresas com grande potencial de crescimento internacional”. As apostas caíram sobretudo em “soluções assentes em I&D e com impacto real em setores estruturantes para a economia portuguesa, como a saúde, biotecnologia, tecnologias de informação, turismo e energia”.

Destas 43 novas empresas, 40 são provenientes da Call INNOV-ID; uma medida lançada pela Portugal Ventures para promover o acesso ao financiamento de capital de risco a projetos de âmbito científico e tecnológico, nas fases Pre-Seed, Seed ou Early-Stage (todas correspondentes a fases muito iniciais da vida das empresas), que possuam tecnologia desenvolvida, mas que estejam ainda em fase de protótipo, prova de conceito ou em validação de product-market-fit.

A PV comunicou um total de 117 candidaturas a esta iniciativa e justificou as escolhas pelo destaque das mesmas “no impacto na descarbonização e circularidade da economia, na sustentabilidade e simplificação de processos e na eficiência energética.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Do total, 2,6 milhões de euros foram entregues a três startups, a CleanWatts, Hostel Hub e Merytu, mais experientes no mercado.

A CleanWatts é uma empresa “cleantech” com plataformas digitais para simplificar, ampliar e acelerar a descarbonização de energia para empresas e comunidades em todo o mundo, através de duas áreas de criação de valor para os seus clientes: eficiência energética e comunidades de energia. Já a Hostels Hub pretende desenvolver uma rede de diferentes unidades de alojamento, distribuídos na Península Ibérica, muito para além dos hostels. E a Merytu permite que as empresas no setor da hotelaria e restauração reforcem as suas equipas com profissionais qualificados pelo período que necessitem.

Os restantes quatro milhões de euros foram divididos pelas restantes 40 empresas. No portefólio da PV estão agora nomes como o da Ablute (desenvolve um dispositivo de urinálises integrado num sanitário ecológico), a Aqua Food (que se dedica à produção de Spirulina em modo biológico), a Aqva More (dispositivo para poupança de água na fase de aquecimento), a Bandora (na área da internet das coisas), a Beeyard (para apicultores), a BestHealth4U (que desenvolveu um inovador adesivo médico) ou a Bioworld (para novas embalagens biodegradáveis).

O comércio eletrónico também está representado com a entrada da Ccrave, que promove a economia circular, tal como a Core Protein. A Clever-Volume quer atacar o mercado global de gestão de resíduos, a Corium Biotech foca-se na bioprodução de couro exótico em laboratório, a Cosmos Pic atua na prevenção de fogos florestais, com o objetivo de travar as alterações climáticas e a Eptune Engineering está a desenvolver um habitat e uma plataforma para manutenção de pás eólicas em ambientes atmosféricos adversos, entre outros projetos.

Desde 2012, a Portugal Ventures investiu 164 milhões de euros em 147 empresas, tendo atualmente sob gestão 173 milhões de euros. Financia as fases “pre-seed”, “seed” e “series A” e está direcionada para startups que criam soluções inovadoras, com capacidade de internacionalização e que atuam nestes quatro setores de atividade.