A TAP tem de reduzir 490 a 600 trabalhadores, para além das adesões voluntárias a medidas laborais registadas no quadro do plano de reestruturação, através de rescisões por mútuo acordo, reformas e pré-reformas. Os colaboradores abrangidos serão notificados a partir de 16 de abril.

Numa mensagem aos colaboradores, o conselho de administração da empresa indica que o programa de medidas voluntárias permite um redimensionamento de cerca de 690 postos de trabalho, considerando os trabalhadores em tempo parcial. A grande maioria das adesões, 70%, ao programa que decorreu até 24 de março na TAP e até 4 de abril na PGA, foi relativa a rescisões por mútuo acordo. 14% dos aderentes optaram pelo trabalho parcial. Há ainda 8% de trabalhadores que manifestaram disponibilidade para passar à reforma, 6% para pré-reformas e 3% a licenças sem vencimento.

Os dados divulgados esta sexta-feira à noite revelam que o programa de redimensionamento abrange cerca de 630 postos de trabalho na TAP, incluindo o trabalho parcial, e 45 na Portugália cujas candidaturas estão ainda em análise.

TAP reduziu despedimentos de 2.000 para 500 a 600 com medidas voluntárias e acordos de emergência

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Segundo a administração da TAP, os acordos de empresa de emergência assinados com os sindicatos permitirão preservar até 750 empregos. O efeito destes acordos, associado ao programa de medidas voluntárias “permite ajustar e reduzir o número inicial de redimensionamento, inscrito no Plano de Reestruturação em aprovação na Comissão Europeia, de cerca de 2.000 para um número entre 490 a 600 trabalhadores, à data de hoje”.

Os passos seguintes passam por analisar as candidaturas voluntárias e definir os trabalhadores com quem serão negociadas rescisões por mútuo acordo, bem como reformas e pré-reformas, e reabrir uma última fase de candidaturas para integrar trabalhadores da TAP na Portugália. Do resultado deste processo dependerá a adoção de medidas mais extremas, como o despedimento coletivo.

Os critérios serão a Produtividade/Absentismo, Experiência, Contributo, Custo e Habilitações. A TAP destaca ainda que foi “adotado um modelo multicritério, ponderado, transversal e alinhado com os objetivos do Plano de Reestruturação, o que permite uma visão objetiva e abrangente dos trabalhadores envolvidos.” E acrescenta que “as métricas aplicadas apreciam períodos plurianuais, permitindo uma avaliação balanceada, equitativa e consistente. O modelo é de aplicação objetiva, o que imprime robustez e transparência ao processo de seleção e identificação, que conta com a participação colaborativa de todas as áreas responsáveis”.

Os trabalhadores abrangidos serão retirados do layoff. As comunicações serão feitas a partir de 16 de abril.  Nessas comunicações, será agendada uma reunião com os recursos humanos e a respetiva chefia na qual serão apresentadas as medidas disponíveis. Os trabalhadores abrangidos serão dispensados do dever de assiduidade sem perda de remuneração ou direitos, para assegurar ” maior disponibilidade para acompanhar todo esse processo e, bem assim, preservar a estabilidade e segurança da operação”